Em reunião, Unificado recebe garantias de representantes da Transpetro

Gerentes asseguraram o pagamento de horas extras aos trabalhadores do Osbra e a contratação de terceirizados necessários para manter a segurança nos terminais

Gerente de planejamento de manutenção afirmou que “não troca segurança por resultados” (Foto: Agência Brasil)

Por Guilherme Weimann

Na tarde da última quinta-feira (17), o Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP) participou de uma reunião com representantes da Transpetro – subsidiária integral da Petrobrás responsável pelo transporte e logística de combustíveis – para tratar sobre diversos pontos relacionados aos direitos e segurança dos trabalhadores.

Por parte do Sindipetro Unificado, participaram Cibele Vieira, Felipe Grubba e Wagner de Paula, além do assessor jurídico Francisco Coutinho. Do lado da empresa, estiveram presentes o gerente do RH, Felipe Pacheco; o gerente do Oleoduto São Paulo – Brasília (Osbra), Milton Magalhães; e o gerente de planejamento de manutenção, Pedro Scucuglia.

O primeiro ponto discutido foi o pagamento de horas extras no Osbra. O Sindipetro Unificado reuniu uma série de denúncias de que os trabalhadores não estão recebendo o mínimo de quatro horas ao prestarem serviços extraordinários.

Renovado nesta semana, o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) prevê que, quando o trabalhador é acionado fora do seu horário normal de trabalho, mesmo nos casos de sobreaviso, sua remuneração mínima é de quatro horas, independentemente se o tempo gasto for menor.

Em relação a esse tópico, o gerente do Osbra, Milton Magalhães, garantiu que fará todas as investigações necessárias em até 30 dias e que, caso as irregularidades sejam comprovadas, realizará os pagamentos de todos os passivos.

O sindicato também indagou sobre outro problema do Osbra. Devido ao quadro reduzido em alguns terminais, os operadores que recebem adicional de polidutos poderiam ultrapassar o limite de 15 dias de sobreaviso, descumprindo assim outro ponto estabelecido no ACT. 

O caso mais preocupante é o do terminal de Ribeirão Preto, que conta com apenas dois operadores. Magalhães afirmou que o supervisor do terminal, que era originalmente técnico de manutenção, poderá substituí-los na operação quando necessário. Essa possibilidade foi aberta com o Plano de Carreiras de Remuneração (PCR), a partir de 2018, que passou a permitir que os trabalhadores exerçam tarefas e funções que não estavam previstas no concurso público.

Diminuição de terceirizados

O Unificado também questionou sobre o enxugamento dos quadros de terceirizados na manutenção dos terminais, o que tem gerado demissões, sobrecarga aos trabalhadores próprios e riscos à segurança.

Como resposta às indagações, a Transpetro afirmou que está ocorrendo um movimento de primeirização da manutenção, que seria a troca de trabalhadores terceirizados por próprios, além de assegurar o efetivo mínimo necessário.

Leia mais: Transpetro suspende contratos e coloca trabalhadores em risco

Apesar da justificativa, o diretor do Unificado, Felipe Grubba, rebateu os argumentos. “Não está havendo a contratação de novos trabalhadores próprios. O que está havendo é a redução de contratos com terceirizados e a sobrecarga de trabalho para os próprios”, apontou.

Anteriormente, a maioria dos trabalhadores próprios exerciam a fiscalização, enquanto os terceirizados atuavam na execução. Com os términos dos contratos, muitos funcionários próprios passaram à execução, com treinamentos que são questionados pelo Unificado.

Scucuglia, entretanto, garantiu que todos os empregados próprios atuarão nas suas áreas de formação, como preconiza o Conselho Federal dos Técnicos Industriais. Além disso, assegurou que contratará os terceirizados que forem necessários para manter o efetivo mínimo e garantir a segurança das unidades.

O gerente de planejamento de manutenção ainda defendeu os novos contratos, que entraram em vigor na última quinta-feira (17), para os motoristas dos terminais, sob a justificativa de que eles seguem a Lei 13.103/2015, mais conhecida como “Lei do Motorista”. Ele defendeu que os ajustes trarão melhorias aos trabalhadores, como o aumento do tempo de descanso.

Leia mais: Troca de empresa terceirizada gera demissões de motoristas na Transpetro

Entretanto, as tabelas recebidas pelo sindicato mostram um descanso ininterrupto de apenas 7h12 no período da noite, o que desrespeitaria a legislação que prevê o mínimo de 8 horas consecutivas. Por isso, o sindicato não consegue enxergar as melhorias anunciadas pelo gerente. 

Apesar dessas informações que o sindicato teve acesso, Scucuglia manteve sua defesa e se comprometeu a cumprir os direitos previstos na legislação. Devido a esses impasses, o Sindipetro realizará uma rodada de assembleias presenciais para discutir as mobilizações da categoria no próximo período.

Apesar das várias negativas de Scucuglia durante a reunião, o gerente garantiu que “não troca segurança por resultados”, mesmo com as medidas de redução dos terceirizados da manutenção e mudança nos contratos dos motoristas do turno.

Posts relacionados

Passivo trabalhista da Petrobrás aumenta e ultrapassa a marca de R$ 1,5 milhão

Luiz Carvalho

Eleições para Cipa na Recap terminam no dia 25

Luiz Carvalho

Lava Jato: estratégia geopolítica e desmonte do Estado

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade