Sindipetro Unificado assina Acordo Coletivo de Trabalho nesta quarta-feira (16)

Petroleiros seguiram indicativo da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e aprovaram acordo coletivo que, dentre uma série de garantias, veta demissão sem justa causa nos próximos dois anos

Nas bases do Unificado, 78,68% votaram a favor do ACT (Foto: Itamar Sanches)

Após aprovação pelos trabalhadores da contraposta da Petrobrás, o Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP) e outros 11 sindicatos filiados à Federação Única dos Petroleiros assinarão, nesta quarta-feira (16), o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), com validade para os próximos dois anos (2020-2022). A assinatura poderá ser feita presencialmente ou por meio virtual, de acordo com a disponibilidade dos membros da direção de cada sindicato.

No caso do Sindipetro Unificado-SP, participaram das assembleias 610 petroleiros de todas as bases. O resultado mostrou que 76,23% dos trabalhadores aprovaram a renovação do ACT. Foram 465 votos favoráveis, 126 votos contrários e 19 abstenções. Na contagem dos votos válidos, descontando as abstenções, a taxa de aprovação ficou em 78,68%.

No acordo, a Petrobrás se compromete a não realizar nenhuma demissão sem justa causa pelo prazo de validade do acordo, até agosto de 2022, além de se comprometer com o reajuste salarial automático de 100% com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), em setembro de 2021.

O ACT também garante que os descontos da Assistência Médica de Saúde (AMS) será feita no contracheque e cria um grupo de trabalho conjunto para acompanhar e propor medidas que regulamentem o teletrabalho na companhia. Desde o início da pandemia, cerca de 20 mil trabalhadores de um total 46 mil estão nesse regime de teletrabalho.

Próximos passos

Nesta terça-feira (15), a FUP debaterá os próximos passos de mobilização dos petroleiros no programa “Encontro com a categoria”, que será transmitido ao vivo pelos canais do YouTube e Facebook.

Serão discutidas as lutas contra a implantação da associação privada para gerir a AMS, a derrubada das resoluções 22 e 23 da CGPAR, além das estratégias para fortalecer a campanha “Petrobrás Fica”, que visa combater as privatizações em curso na estatal.

Posts relacionados

AMS: nova proporcionalidade não altera valor pago em procedimentos de alto risco

Luiz Carvalho

Verba para fiscalização trabalhista despenca pela metade no governo Bolsonaro

Guilherme Weimann

Congresso pede que STF amplie parecer contra fatiamento da Petrobrás a todas estatais

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade