Após enxugar quadros, Petrobrás ‘frauda’ uso de simulador para aprovação em perícia

Treinamentos que estavam abandonados são retomados a toque de caixa


Em 17 anos de Petrobrás, o técnico de operação pleno e diretor de base do Unificado (Sindicato Unificado dos Petroleiros de São Paulo) Steve Austin contabiliza apenas duas horas de treinamento em um simulador. E isso há cerca de 10 anos. Treinamentos que estavam abandonados são retomados a toque de caixa

A realidade vivida por ele é comum a todos os petroleiros, mas passou a ser mascarada com a tentativa da empresa em transmitir uma imagem de preparação de seu efetivo que não corresponde ao que realmente acontece nas unidades da companhia.

A ausência de treinamentos ligados a esse mecanismo fundamental para preparar os trabalhadores foi um dos problemas apontados pelo sindicato para contrapor os argumentos da empresa que associou a redução do efetivo ao aprimoramento do processo produtivo.

Mas para entender o atual cenário é preciso relembrar o início do programa O&M (Organização e métodos de trabalho), em 2017, quando a Petrobrás impôs unilateralmente e sem uma auditoria externa medidas para readequação dos quadros. E readequação, no ambiente de trabalho, assim como reforma, na política, é sempre sinônimo de prejuízo para o trabalhador.

Na prática, a ideia era apresentar alguma justificativa para a diminuição do efetivo e a ausência da reposição de trabalhadores que deixaram a empresa, situação que gerou gargalos nas operações, levou a dobras de turnos e, consequentemente, a maior insegurança na produção.

Logo após a implementação do O&M, apenas na Replan (Refinaria Paulínia), ocorreram quatro paradas emergenciais e em agosto de 2018, a produção teve de ser paralisada na planta após um tanque de água ácida explodir e causar um incêndio.

O pior acidente da história da refinaria aconteceu poucos dias após uma parada de manutenção do craqueamento, realizado pela primeira vez por uma terceirizada.

Reação

Para frear o agravamento das más condições de trabalho na unidade, o Unificado ingressou com um processo na Justiça do Trabalho de Paulínia e chegou a obter uma liminar para impedir a aplicação da nova política. Mas a medida foi derrubada.

Porém, o embate resultou na expedição de uma solicitação de perícia para verificar se realmente o efetivo era suficiente para dar prosseguimento às operações, como alega a Petrobrás.

A perícia avaliou que “o estudo realizado pela Petrobras, não aponta inovações estruturais, tecnológicas, ou outro tipo de alteração que justificasse a diminuição de seu efetivo”. Além de não haver “nos documentos parâmetros do que seria ideal para execução de cada tarefa” e sequer existir “demonstrativos de treinamentos e/ou capacitação dos funcionários que justifiquem a redução do tempo gasto em suas atividades”.

A empresa alegou ainda que não houve demissões, mas ignorou um Programa de Incentivo de Desligamento Voluntário (PIDV), em 2016, dois anos após outro já ter sido adotado.

Simulador

Quando houve a primeira perícia, a Petrobrás vendeu a ideia de que a aplicação de treinamentos por simuladores era uma prática comum, mas a informação não é verdadeira.

Conforme aponta o técnico de operação da Replan e também diretor de base do Unificado Julio Ferreira, o mecanismo foi retomado emergencialmente para responder à avaliação.

“Esse processo foi abandonado pela empresa, apenas algumas pessoas passavam e esporadicamente, não era parte da preparação dos operadores. Em alguns setores, como o de estocagem, onde eu estou, nem tem, foi descontinuado pela própria refinaria”, diz.

Steve Austin, o operador que havia conhecido o procedimento há 10 anos, conta que existem os programas preparados para realizar o processo, mas falta pessoal treinado e tempo para realizar os exercícios.

“Cada refinaria tem sua rotina, então, é necessário que exista pessoal qualificado para programar o simulador conforme os parâmetros daquela planta. Tem de montar uma equipe para treinar os outros trabalhadores, mas é preciso tempo para isso e também para que os próprios petroleiros participem do processo. Como vai tirar alguém do seu trabalho se estamos com um efetivo reduzido?”, questiona.

Para ao diretor do Unificado, Gustavo Marsaioli, a retomada dos simuladores, como defendeu o sindicato, comprova que tanto o processo de preparação, quanto a irresponsabilidade da empresa ao não repor o efetivo são fato consumado dentro da companhia.

“A cada operador que sai de férias é preciso que alguém dobre o turno e, por isso, os treinamentos dos novos passaram a ficar mais rápidos, precários e limitados. A retomada do simulador após um período de abandono demonstra que estávamos certos em nossas ações, , que falta um treinamento mais aprimorado por parte da empresa, mas o que vemos agora é uma fraude”, critica.

Pode piorar

Mas como a dobradinha Jair Bolsonaro (sem partido) e Castello Branco (presidente da Petrobrás) sempre pode piorar algo que já vai mal, o cenário tende a ficar ainda mais grave.

Segundo Castello Branco, a meta é reduzir o número de trabalhadores em 34%, passando dos atuais 45 mil para 30 mil petroleiros. A expectativa é que somente com os PIDVS, até o próximo ano, 10 mil pessoas se desliguem da companhia, sem que exista nada planejado para  reposição do pessoal.

O enxugamento, avalia Marsaioli, pode ser parte de um roteiro bem conhecido pelos servidores do país.

“Não é novidade que este governo tenta, a todo custo, entregar a Petrobrás para a privatização, ainda que de maneira fatiada, e avaliam que, diminuindo o quadro, fica mais fácil se livrar do principal patrimônio público do país. Nosso papel é lutar contra isso, uma prioridade absoluta para a categoria”, define.

Posts relacionados

Petroleiros da Replan e Recap aprovam tabela de oito horas da RPBC

Luiz Carvalho

AMS: nova proporcionalidade não altera valor pago em procedimentos de alto risco

Luiz Carvalho

Verba para fiscalização trabalhista despenca pela metade no governo Bolsonaro

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade