Congresso Estadual inicia com debate sobre petróleo e Petrobrás

Texto e fotos: Norian Segatto

Confira a transmissão da mesa aqui

Na manhã da quinta-feira, 25.abr, teve início o Congresso Estadual do Sindipetro Unificado. Durante dois dias, diversos debates aprofundarão as questões conjunturais, da política do governo Bolsonaro, da situação da Petrobrás e seus empregados.

A primeira mesa de debate do Congresso contou com as participações de William Nozaki,  mestre e doutorando em Desenvolvimento Econômico (IE-Unicamp) e diretor técnico do Ineep (Instituto de Estudos Estratégicos em Petróleo, Gás e Biocombustíveis ) e Danilo Silva, representante dos empregados no Conselho de Administração da Petrobrás.

William Nozaki

William apresentou um cenário macro da produção e exploração do mundo, e da complexa situação nacional dos combustíveis. Para ele, não existe razão técnica para a Petrobrás sair do refino ou para a venda de ativos da companhia. “Vender a Petrobrás é uma opção política do governo, de trocar um monopólio nacional por um internacional”, sintetizou o economista, salientando que a Petrobrás foi tema central de discussão nas quatro viagens internacionais que Bolsonaro fez na condição de presidente do país. Em Davos [Fórum Econômico Mundial], Paulo Guedes [ministro da Economia] se reuniu com dirigentes da Total para debater a venda da Petrobrás, no Chile, a companhia brasileira também esteve na pauta de reunião, assim como em Israel e, na visita aos Estados Unidos foi criado um Fórum Brasil/EUA de energia que conta com os dois governos e com as petrolíferas Chevron e Exxon. “É algo absolutamente inédito, um Fórum com empresas estrangeiras para debater as estratégias energéticas do Brasil, é a completa submissão aos Estados Unidos”, afirmou Nozaki.

 

Fim da racionalidade

Danilo Silva

Em sua intervenção, o conselheiro Danilo Silva afirmou que o país vive um momento de barbárie, em que não há mais qualquer racionalidade nas decisões governamentais. Para Danilo, o novo agrupamento político que está no poder não segue qualquer regra republicana, parece que é a realidade que deve se ajustar ao pensamento desse grupo e seus interesses privados.

Danilo também alertou para os desafios que a categoria irá enfrentar no próximo período. “O anúncio da venda das refinarias é apenas o começo, o projeto de Paulo Guedes é a financeirização do Estado e a abertura completa do mercado de energia para o setor privado, isso já está tendo consequências graves no trabalho, para barrar isso temos de fazer aquilo que sempre soubemos fazer”.

A mesa foi coordena por Juliano Deptula. O Congresso continua no período da tarde, com novos debates.

Posts relacionados

Por que a Petrobras é estratégica?

Guilherme Weimann

“Perda do controle da BR Distribuidora é gravíssimo”, afirma Danilo Silva

Andreza de Oliveira

ACT é o escudo da categoria contra perda de direitos

Andreza de Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade