Bronca do Peão: Big Brother Replan

A controvérsia das câmeras na Refinaria de Paulínia que vem incomodando trabalhadores e trabalhadoras

bbb replan
Petroleiros e petroleiras recusam sensação de invasão de privacidade dentro do local de trabalho (Foto: Reprodução/GShow)

Por Bronca do Peão*

A instalação de câmeras de segurança em um local de trabalho na Refinaria de Paulínia (Replan) está nos trazendo um grande incômodo e preocupação. A situação levantou questões importantes sobre privacidade e confiança no ambiente de trabalho.

Seguindo a política da gerência geral da gestão passada, que já havia inserido câmeras no laboratório e no interior dos veículos, a atual gerência da inspeção de equipamentos instalou câmeras voltadas diretamente para o nosso ambiente de trabalho, em setembro do ano passado, sob a justificativa do aumento de casos de roubo de peças em alguns prédios da refinaria.

Nós trabalhadores, por outro lado, temos uma visão bastante diferente da situação. Muitos acreditam que a verdadeira intenção por trás das câmeras é monitorar o desempenho e comportamento dos funcionários, e não apenas evitar roubos.

Essa desconfiança é alimentada pelo fato de que, tradicionalmente, câmeras destinadas a prevenir furtos são colocadas do lado de fora dos prédios, monitorando entradas e saídas. No caso da Replan, as câmeras foram instaladas no interior do prédio, em dois locais diferentes. E qual seria a motivação para filmar a entrada do laboratório e o interior dos veículos?

Nos questionamos se a presença dessas câmeras implica uma desconfiança da gerência em relação a nós. Estaria o gerente suspeitando que os próprios funcionários estariam envolvidos nos roubos? Ou será que o objetivo é vigiar mais de perto as atividades dos trabalhadores, especialmente quando este gerente está trabalhando em regime de teletrabalho?

Enquanto a proteção do patrimônio da empresa é um objetivo legítimo, a sensação de estar constantemente vigiado pode criar um ambiente de trabalho hostil e desconfortável. Não podemos sentir que nossa privacidade está sendo invadida e que não somos dignos de confiança por parte da gerência.

A presença de câmeras no ambiente de trabalho pode afetar negativamente a moral dos funcionários. Um clima de desconfiança pode se instaurar, levando a um declínio na motivação e na satisfação no trabalho.

Para lidar com essa situação delicada, a comunicação transparente é fundamental. É importante que a gerência esteja aberta a ouvir as preocupações dos trabalhadores e trabalhadoras e buscar soluções que atendam nosso direito à privacidade.

Comunicação transparente que não ocorreu até aqui. As câmeras já haviam sido questionadas no ano passado, inclusive pela Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA), e a informação passada foi que elas não seriam ligadas. O que se mostrou falso após alguns meses.

Não estamos em um reality show e não permitiremos que esse absurdo, que fere nossa privacidade, seja mantido.

* O texto foi enviado por petroleiro da base que preferiu não se identificar.

Posts relacionados

Replan: inscrições para a CIPA 2024-2025 estão abertas 

Vitor Peruch

REPLAN – EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIAS

Ademilson Costa

Após confirmação de reunião com a nova presidenta, Unificado adia ato na Replan

Guilherme Weimann