Bolsonaro segue sem propostas para acabar com aumento abusivo de combustíveis

Presidente tenta passar solução de problemas para estados com ideias que podem prejudicar ainda mais combate à pandemia

Preço do combustível têm prejudicado toda economia brasileira (Marcelo Camargo/Agência Brasil)


Por João Paulo Soares

O descontentamento geral com os sucessivos reajustes no preço do diesel, da gasolina e do gás de cozinha levou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a vir a público na última sexta-feira (5) para dar algum tipo de satisfação à sociedade. Como de costume, ele eximiu-se de responsabilidade e empurrou o problema com a barriga.

Disse que o combustível é caro por conta dos impostos, em especial o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), de competência dos Estados, e que seu governo prepara uma proposta para reduzir o peso desse tributo nos valores finais.

Tal estudo seria apresentado nesta semana. Depois, concluiu Bolsonaro, caberia aos governadores e às assembleias legislativas debruçarem-se sobre o assunto.

A semana começou e o estudo não apareceu. O que veio foram dois comunicados da Petrobrás “tranquilizando o mercado” a respeito da continuidade de sua política abusiva de reajuste de preços e, na segunda-feira (8), como que para confirmar esse compromisso, o anúncio de novos aumentos: 8,2% para gasolina, 6,2% para o diesel e 5,1% para o gás de cozinha.

Leia também: Petroleiros e caminhoneiros cobram de Bolsonaro fim de preços abusivos de gás e diesel

Estes aumentos, como todos os que ocorreram desde o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff, em 2016, nada têm a ver com a quantidade de impostos ou com suas alíquotas, como lembra Cibele Vieira, secretária de Administração e Finanças da FUP e diretora do Sindicato Unificado dos Petroleiros de São Paulo (Unificado-SP)

“A composição dos impostos no preço dos combustíveis não foi alterada (nos últimos anos). O que mudo, de 2016 pra cá, foi a política de preços da Petrobrás. Antes, a Petrobrás amortecia (o reajuste) nas altas (de preço) e compensava nas quedas. Ela era formadora de preço. Agora ela pega o preço internacional”, afirma Cibele.

Para ela, é impossível resolver a questão do preço do combustível por meio dos impostos. “Você pode zerar os impostos. Se continuar com essa política (de preços internacionais), com o tempo o petróleo vai aumentar e consumir o que tirou de imposto. Você só vai quebrar os Estados e continuar com o combustível caro”, resume a dirigente.

Segundo Cibele, a proposta serve apenas para Bolsonaro confundir a audiência e alimentar a guerra com os governadores. “Acho muito difícil mexer com o ICMS durante a pandemia. O desaceleramento da economia, que já estava patinando, diminui a receita dos Estados, e num momento em que os Estados têm que gastar mais. E se acontecer terá impacto nas ações de combate à pandemia”, calcula.

Acionistas privados em primeiro lugar

Desde a gestão Michel Temer, a Petrobrás passou a privilegiar o mercado e os acionistas privados da empresa, promovendo reajustes com base no Preço de Paridade de Importação que oscila conforme o valor internacional do barril, o dólar e os custos de importação. Isso leva a aumentos frequentes e muito superiores aos índices inflacionários.

De 2017 ao início de 2021, sem contar este novo reajuste, a gasolina aumentou 59,67%; o diesel, 42,64%; e o gás de cozinha, 130,79%. No mesmo período, a inflação acumulada foi de 15,02%.

“Essa política de preço com paridade internacional, quase que simultânea, gera enormes oscilações”, diz o economista e professor Eduardo Costa Pinto, pesquisador do Ineep (Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis). “Basta qualquer possibilidade de conflito, qualquer processo de pandemia ou de crise, para o pre

Para ele, o único objetivo de tal política é maximizar os lucros, tratando a Petrobrás não como uma companhia de petróleo, mas como uma empresa financeira, em detrimento do bem-estar do conjunto da população.

Leia também: A “nova gasolina” e os impactos da importação de combustível 

“Durante um longo período, entre 2010 e 2015, o gás de cozinha não subiu e isso não gerou grandes prejuízos à Petrobrás. Porque o gás de cozinha não é a principal fonte de receita da Petrobrás. Com a política atual, você gera piores condições para a população mais pobre para garantir lucro e rentabilidade aos acionistas privados. Quando Bolsonaro traz a discussão apenas para a lógica do ICMS, ele tira a responsabilidade do governo federal e reforça a ideia de que não existe nenhum problema na política de preços, e que ela deve ser mantida”, diz.

Importação e refinarias

Bolsonaro, seu governo e os defensores do atual modelo afirmam, entre outras coisas, que a vinculação direta aos preços internacionais se deve ao fato de o Brasil depender de importações para atender o mercado interno, sobretudo de óleo diesel. E propõem, para reduzir os preços e as importações, a solução mágica das privatizações.

“Tem uma parte que a gente importa mesmo”, ressalta Cibele. “E tem aumentado porque eles foram utilizando menos as refinarias. Agora voltou a utilizar, mas a produção nacional não dá conta do consumo de diesel. Por isso que, até 2015, o planejamento da Petrobrás era ampliar o parque de refino, não diminuir”, diz ela, citando alguns dos principais projetos que foram cancelados, suspensos ou reduzidos desde então, como a Rnest (Pernambuco), as refinarias Premium 1 e 2 (Maranhão e Ceará) e o Comperj (Rio de Janeiro).

O projeto de desmonte promovido pela dupla Bolsonaro-Paulo Guedes prevê a entrega de oito refinarias a grupos multinacionais e estrangeiros em 2021. Na segunda-feira (8), a RLAM (Refinaria Landulpho Alves), na Bahia, foi vendida por US$ 1,6 milhão a um grupo de Abu Dhabi.

Para Eduardo Costa, ao contrário do que afirmam o governo e seus apoiadores, tal processo deverá encarecer ainda mais os derivados e pode gerar desabastecimento.

“A Rlam e outras refinarias colocadas à venda funcionam como ‘mercado relevante regional’. A Rlam, por exemplo, atende a Bahia inteira. Não é possível colocar outra refinaria do lado, não tem escala para isso. O mesmo acontece em Pernambuco, Paraná, Rio Grande do Sul. Ou seja: essas refinarias, sendo vendidas, vão virar monopólios regionais privados. E quando você tem um monopólio privado sem regulação, como a gente vê hoje, eles vão vender derivados pelo seu preço máximo – às vezes produzindo menos para reduzir custos. Isso inclusive pode gerar desabastecimento”, prevê.

Além disso, esse encolhimento da Petrobrás, na contramão do que fazem as grandes petroleiras do mundo, aumenta a vulnerabilidade da empresa e dificulta, para o Brasil, a retomada um projeto de desenvolvimento econômico industrial, com soberania e distribuição de renda.

“Nenhum projeto de Brasil é viável se não reverter esse processo de privatizações”, conclui o economista.

Posts relacionados

Petrobrás: a falsa encruzilhada entre autoritarismo e democracia miserável de mercado

Guilherme Weimann

Sindipetro-SP cobra reunião emergencial com a Transpetro

Guilherme Weimann

Troca na Petrobrás não vai alterar a base da política de preços, avalia economista

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade