A “nova gasolina” e os impactos da importação de combustível 

Pesquisadores debatem em live a vigência dos novos padrões estabelecidos para o controle da qualidade dos combustíveis comercializados no Brasil
Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Foi ao ar na última sexta-feira (07) mais uma edição do SindiPapo, série de lives produzidas pelo Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP). Com mediação do jornalista Luiz Carvalho, a conversa girou em torno dos padrões da nova gasolina que passou a vigorar no país no início deste mês. 

Como convidados, participaram do debate o economista e pesquisador do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), Henrique Jäger, e a doutora em engenharia química e técnica aposentada em petróleo pela Petrobrás, Claudete Henriques. 

Leia também: “Privatização de refinarias nos fará reféns de empresas estrangeiras”, diz economista

O novo padrão de qualidade implantado para a gasolina nos postos de combustíveis brasileiros surge em um momento desafiador e conturbado para a classe trabalhadora. “Não temos a economia aquecida, mas, mesmo assim, a Petrobrás vem importando combustíveis porque está usando cada vez menos da capacidade de refino de suas refinarias, preferindo importar a produzir internamente”, observa o pesquisador do Ineep, que já prevê a privatização da estatal como consequência dessa atitude.

Como exemplo negativo, o recente escândalo do querosene de aviação (QAV) sintetiza o problema em se abastecer o mercado nacional com produto importado. “Quando se tem a capacidade de produzir nacionalmente, mas prefere importar, acontecem grandes impactos no emprego, na qualidade do produto e na própria avaliação desses ativos, que são menos valorizados”, afirmou o pesquisador. 

Nada de novo

Para Claudete Henriques, praticamente não existe diferença entre o novo combustível e o antigo que já era produzido pela Petrobrás. “A petrolífera já produzia gasolina com essas especificações, a diferença é que agora o combustível busca ir de encontro com a legislação internacional”, completou a petroleira aposentada. 

A doutora em engenharia química ainda acredita que a demanda por esse novo combustível não deveria influenciar no preço a ser pago pela população. “Já estamos com os preços dos combustíveis dolarizados, o que já corresponde ao patamar internacional, então não há a necessidade de um incremento”, declarou.

Privatização e o impacto social 

Com a atual gestão que comanda a Petrobrás, medidas de privatização e vendas de ativos estão sendo cada vez mais discutidas mesmo em meio à pandemia de covid-19. De acordo com Henrique Jäger, a queda na demanda por derivados, que já vinha ocorrendo desde 2015, foi agravada pela crise mundial. “O Brasil, assim como os EUA, viverá mais alguns meses com a economia estagnada por desacertos na política econômica e sanitária”, observou o pesquisador ao apontar os impactos dessa crise para a população. 

Ainda segundo Jäger, diversas empresas tiveram seus valores de mercado afetados, e a Petrobrás foi a companhia com maior queda na Bolsa de Nova Iorque. Em contrapartida,  a que obteve menores prejuízos foi uma petrolífera estatal chinesa, com foco em refino. “Num momento de crise, o processo de refino acaba funcionando como um amortecedor porque é anticíclico e estratégico”, reiterou o pesquisador ao explicar por que a estatal brasileira deve repensar a desestatização de suas refinarias. 

Para ele, do ponto de vista macroeconômico, a privatização da Petrobrás enquanto empresa estatal impede que o Brasil saia com mais facilidade da crise provocada pela pandemia. “É uma catástrofe porque a Petrobrás é a empresa [brasileira] que mais investiu em educação e cultura e está sendo desmantelada. As possíveis compradoras da companhia não terão capacidade, nem se interessarão por essas iniciativas”, lamentou.

Investimentos e valorização da Petrobrás

Contudo, apesar da problemática causada pelos impactos da crise econômica brasileira, o petróleo que é atualmente extraído do pré-sal apresenta menos de 3% em enxofre, o que aumenta a sua valorização internacional visto que as legislações exigem menos de 5% da substância nos combustíveis. “Isso faz com que as refinarias brasileiras se beneficiem muito desse período porque o petróleo brasileiro atinge as especificações internacionais sem a necessidade de grandes investimentos”, ponderou Jäger. 

Já para Claudete Henriques, a estatal brasileira possui a tríade completa com o etanol de matriz limpa, refinarias com produção de combustíveis e petróleo com excelente qualidade. “Esse conjunto da obra faz parte da pesquisa da Petrobrás e da formação de seus profissionais de todas as áreas”, finalizou a doutora em engenharia química ao explicar a importância dos investimentos em estudos por parte da petrolífera. 

Acompanhe o bate-papo completo:

Posts relacionados

Teaser de venda da Fafen-PR escancara incoerência da Petrobrás

Andreza de Oliveira

AMS: nova proporcionalidade não altera valor pago em procedimentos de alto risco

Luiz Carvalho

Verba para fiscalização trabalhista despenca pela metade no governo Bolsonaro

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade