ACT é o escudo da categoria contra perda de direitos

Texto e fotos: Norian Segatto

O Congresso Estadual continuou na manhã da sexta-feira, 26, com um debate que se concentrou na análise das resoluções governamentais que impactam as estatais, e, no caso da Petrobrás, patrimônios da categoria como a AMS e a Petros.

Carlos Cotia

O dirigente aposentado Carlos Cotia destacou a importância de defender as conquistas dos petroleiros. Segundo ele, a empresa deverá vir nesta campanha salarial com carga total contra os direitos trabalhistas, seguindo a linha do atual governo de precarizar o trabalho e, principalmente, tentando “limpar” o balanço da empresa de passivos (como a AMS, a Petros e outras conquistas) para facilitar a venda da companhia. “Defender nosso Acordo Coletivo e todas as conquistas é um caminho de resistência contra a privatização, nosso lema é nenhum direito a menos”, resumiu Cotia.

Cloviomar Cararine

À tarde, Cloviomar Cararine abordou os principais aspectos do ACT e os desafios para a categoria. Para o economista do Dieese, a campanha dos petroleiros terá como cenário, entre outros, os seguintes aspectos:

– Diminuição do espaço de negociação entre sindicatos e empresa devido ao cenário de menor democracia no Estado brasileiro;

-Altas taxas de desemprego;

– Reforma trabalhista que retirou diversos direitos da classe trabalhadora;

– Ataques à organização dos trabalhadores, com tentativas de inviabilizar a representação sindical.

Outro aspecto identificado pelos estudos do Dieese é a diminuição de acordos salariais com ganhos reais. No primeiro semestre de 2018, 80,6% dos cerca de 15 mil acordos analisados tiveram aumentos reais de salário; esse índice caiu muito no segundo semestre, fazendo com que o ano terminasse com uma média de 75,7% e um reajuste médio de 0,83% acima da inflação.

Ao final do Congresso foram eleitos os delegados à Plenária da FUP.

Delegados à PlenaFup

Regional Campinas

  • Benedito Francisco Ferreira (Ditinho)
  • Jorge Nascimento
  • Marbe Cristina

Regional São Paulo

  • Tiago Franco
  • Rogério Ribeiro
  • Davina Silva

Regional Mauá

  • Juliano Deptula
  • João Antonio Moraes
  • Auzelio Alves

Observadores

Albérico Santos (Cps) / Alexandre Castilho (SP) / Pedro Augusto (Mauá)

Suplentes Campinas – Itamar Sanches / Silvio Bocão /  Gustavo Marsaioli

Suplente São Paulo – Felipe Grubba / Vereníssimo Barsante / Carlos Augusto (Sassá)

Suplente Mauá – Hildes Gabriel / Rafael Malatesta / Almeida

Posts relacionados

“Eu não duvido que o ano que vem comece como este, com greve”, avalia petroleira

Guilherme Weimann

Regramento da PLR: por que a FUP recomenda rejeição e onde é possível avançar

Luiz Carvalho

Correios seguem em luta contra redução de 40% da renda e destruição do Acordo Coletivo

Luiz Carvalho