Petros confirma que prioridade de desconto continua sendo os empréstimos pessoais

Em reunião com a FUP, presidente da Fundação informou que encaminhou documento à Petrobrás no qual reitera que empréstimos têm prioridade em relação aos descontos da AMS

Representantes da FUP também pautaram retomada do acordo com o INSS (Foto: Sindipetro-ES)

Por Federação Única dos Petroleiros

Na última terça-feira (9), a Federação Única dos Petroleiros (FUP) participou de reunião com o presidente da Fundação Petrobrás de Seguridade Social (Petros), Bruno Dias, articulada pelos conselheiros eleitos, Norton Almeida e André Araújo, para discutir ações que possam minimizar o impacto dos descontos da Assistência Multidisciplinar de Saúde (AMS) nos benefícios dos aposentados e pensionistas.

Os representantes da FUP cobraram um posicionamento da direção da Petros sobre a solicitação da Petrobrás para que os descontos da AMS tenham prioridade em relação aos descontos dos empréstimos pessoais.

Leia também: Sindipetro-SP entra com liminar para suspender descontos do Benefício Farmácia e AMS

Como resposta, Dias informou que encaminhou documento à Petrobras no qual afirma categoricamente que os empréstimos da Petros têm prioridade em relação aos descontos da AMS. A FUP questionou se esse posicionamento é para todos os participante e assistidos (aposentados e pensionistas), o que foi confirmado por ele.

Outra cobrança feita pela FUP foi relativa à regularização dos descontos feitos nos contracheques dos assistidos, que muitas vezes acumulam também cobranças por boletos bancários, o que dificulta ainda mais a situação financeira destes beneficiários. As direções sindicais reforçaram que todos os descontos da Petros, inclusive os via boletos, não podem ultrapassar 40% da renda líquida dos aposentados e pensionistas, ou seja, a renda total Petros/INSS.

Leia também: Petrobrás implementa mudanças no plano de saúde

O presidente da entidade ressaltou que a gestão desse problema é de fato complexa e concordou que sejam feitas reuniões pontuais e periódicas entre os conselheiros eleitos e representantes da FUP com os setores de pagamento e jurídico da Petros.

“O objetivo é discutir as prioridades de descontos e também uma nova metodologia para os empréstimos, com redução e alongamento da dívida, para que haja um alívio financeiro para os assistidos e ativos”, explica o diretor da FUP, Paulo César Martin.

Convênio

Além destas questões, as representações sindicais também pautaram na reunião a retomada do convênio Petros/INSS. “Esse convênio é fundamental para realização dos descontos da AMS e outros na folha de pagamento do INSS, como está, inclusive, assegurado no Acordo Coletivo de Trabalho (ACT). A Petros vem informando que o convênio com o INSS está fechado. Com isso, os petroleiros que se aposentaram, mas continuam trabalhando, não conseguem ingressar no convênio. O mesmo acontece com aposentados que saíram do convênio e querem retornar”, informa Martin.

Segundo a Petros, o impedimento para reabrir o convênio não é da Fundação, mas do INSS. “Os convênios com as fundações são garantidos por lei, portanto vamos analisar a situação e decidir as medidas necessárias para que o Instituto assegure esse direito”, explica o diretor da FUP.

Próximos passos

Após as informações prestadas pelo presidente da Petros, a FUP terá uma nova reunião com a Petrobrás para dar continuidade à discussão dos descontos abusivos da AMS e avançar na negociação das reivindicações apresentadas à empresa, como o parcelamento e o valor máximo dos descontos. “Como a Petros foi categórica em afirmar que priorizará os descontos dos empréstimos e não da AMS, a gestão da Petrobrás não pode descontar mais do que 13% da margem consignável. E isso está assegurado no ACT”, afirma Paulo César.

“A Petrobras só pode aplicar a margem de 30%, para os descontos da AMS, se a direção da Petros concordasse que esse desconto fosse prioritário ao desconto do empréstimo pessoal, o que não ocorreu. Portanto, a margem de desconto da AMS continua sendo 13%“, reitera o diretor da FUP.

Posts relacionados

Petrobrás: a falsa encruzilhada entre autoritarismo e democracia miserável de mercado

Guilherme Weimann

Sindipetro-SP cobra reunião emergencial com a Transpetro

Guilherme Weimann

Troca na Petrobrás não vai alterar a base da política de preços, avalia economista

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade