Assembleias referendam posição sobre tabela de turno

Federação orientou trabalhadores para não participar do plebiscito que a companhia tentou enfiar goela abaixo dos trabalhadores, para referendar mudanças na tabela de turno

Por Norian Segatto

Turno ininterrupto de revezamento é coisa muito séria, especialmente se tratando de uma atividade como a dos petroleiros, que envolve riscos e qualquer problema pode causar acidentes e prejuízos. Com os cortes de efetivo e a pressão cada vez mais constante por metas, o trabalho em turnos tem de ser avaliado com extrema cautela.

Foi pensando assim que a FUP, desde o final da campanha reivindicatória, vem apontando para a manutenção das atuais tabelas de turno. A Federação e representantes da empresa se reuniram três vezes em novembro, nos dias 14, 21 e 28, mas não chegaram a um consenso porque a gestão de RH rompeu o processo negocial. Há diversos pontos questionáveis na proposta da empresa. Na tabela 3×2, por exemplo, o trabalhador só terá um descanso completo no final de semana a cada ciclo de 35 dias. Questões como as dobras, as permutas e o retorno de férias com saldo negativo também ficaram em aberto.

Em uma videoconferência realizada no dia 2 de dezembro, o RH orientou as unidades do sistema que praticam turno de revezamento de oito horas a apresentarem quatro tabelas aos trabalhadores durante um plebiscito interno, marcado para ocorrer até o dia 15 de dezembro.

Processo semelhante já havia sido realizado em junho e denunciado pela FUP por ter sido feito à revelia de negociação com as entidades sindicais e sem possibilidade de auditoria. “ A gestão da Petrobrás ainda impôs a condição de que a tabela mais votada só seja adotada se houver acordo com os sindicatos. Caso contrário, a tabela adotada será a tabela X”, informou a Federação em matéria em seu site.

 

Setoriais e assembleias

Devido à postura da empresa, os sindicatos convocaram reuniões setoriais nas unidades para explicar aos trabalhadores como foram as tentativas de negociação, a proposta de mediação que a FUP fez para o Tribunal Superior do Trabalho (TST), os perigos da tabela que a Petrobrás quer impor, a ilegitimidade do plebiscito e a necessidade de uma postura firme por parte da categoria para não abrir essa brecha que terá graves consequências no futuro.

Na Recap, inclusive, a gestão “capitão do mato” tentou impedir que o Sindicato conversasse com os trabalhadores (leia matéria na página 2). Nas demais unidades, o clima foi tranquilo.

As assembleias realizadas nas bases do Unificado ratificaram a posição e a proposta da FUP. “Terminamos o ano com uma boa luta, que terá continuidade nos primeiros dias do próximo ano”, avisa o coordenador do Unificado, Juliano Deptula.

 

Posts relacionados

Tabela de turno de 12 horas da Replan entra em vigor no dia 29

Luiz Carvalho

Editais de Convocação de Assembleias

Ademilson Costa

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIAS

Ademilson Costa