Sindicato não aceita mudança no transporte

Terminal de Barueri da Transpetro

 

Por Norian Segatto

No dia 3, a diretoria do Unificado se reuniu com representantes da Transpetro para tratar de diversos assuntos que estão na ordem do dia nos terminais. O principal – e mais problemático – ponto abordado foi em relação ao transporte dos funcionários, que a empresa insiste em garantir apenas a partir dos terminais rodoviários e ferroviários. “Na conversa foi dito que a Transpetro pretende implementar isso em todas as unidades a partir do início do próximo ano”, informou Alexandre Castilho, que participou da reunião.

Para o diretor Vereníssimo Barçante, é um absurdo retirar um direito histórico dos trabalhadores. “Vamos analisar a questão jurídica, mas o fundamental é os trabalhadores se organizarem para combater essa insensatez”. O Sindicato vai convocar os trabalhadores para reagir a esse golpe nos direitos.

 

Outros pontos abordados

Motoristas de turno – Há uma queixa geral de que a contratada não garante integralmente o transporte para os motoristas de turno. Foi esclarecido na reunião que a Transpetro notificou a terceirizada para esclarecer o problema, e, se for o caso, aplicar as multas contratuais. O Sindicato solicitou cópia das notificações.

 

Primeirização no Osbra – Foi informado de que há um cronograma até 2022 para a substituição dos terceirizados por mão de obra própria, mas que esse processo será feito gradativamente respeitando os critérios do CRT. A Transpetro se comprometeu em apresentar ao Sindicato o cronograma detalhado.

 

Vale-refeição nos terminais – Foi informado que o RH do Rio de Janeiro está em contato com a direção da empresa para elaborar uma minuta de implantação do VR nos terminais. Segundo a empresa, um abaixo-assinado feito nas unidades mostrou grande adesão. O prazo previsto é nos primeiros meses de 2020. O Sindicato continua solicitando o detalhamento do processo e alertou para o problemas de unidades, como Guarulhos, que ficam longe de áreas providas de restaurantes.

 

Sobreaviso – Foi identificado que em algumas áreas há sobreposição de sobreaviso, ou seja, mais de uma pessoa no final de semana. Segundo a Transpetro, ela pretende melhorar esse controle para concentrar em apenas uma pessoa o sobreaviso dos finais de semana, respeitando o limite máximo das 144 horas.

 

SPIE – Foi informado que o PH (Profissional Habilitado) continuará independente, sem estar diretamente ligado à Manutenção e que ele fará a avaliação final dos equipamentos. Há, segundo a empresa, uma mudança organizacional, que não afetará as atividades específicas do Técnico de Inspeção.

 

O Sindicato irá realizar reuniões setoriais para debater esses pontos com os trabalhadores e definir enfrentar os problemas.

Posts relacionados

Transpetro ameaça trabalhadores por velocidade registrada com equipamento impreciso

Andreza de Oliveira

Apesar da cobrança da FUP, Transpetro inicia desconto do banco de horas nesta quarta

Guilherme Weimann

Sem detalhes ou valores, Transpetro alega erro em banco de horas

Andreza de Oliveira