Cultura: mulheres no Masp, censura no Rio

Dicas 

Aly Guimarães – Destilação/Replan | Livro | Recomendo “Por que as nações fracassam”, de Daron Acemoglu e James Robinson, porque mostra como sistemas políticos repressivos destroem a economia.

Steve Austin Campos Rosa – HDT/Replan | FilmeEu gosto muito da série “Privacidade Hackeada”, por causa do atual contexto hiperinfluenciado pelas redes sociais.

Renato “Dodô” da Silva – Aposentado da Instrumentação/Replan | Música | Gosto das músicas da jovem guarda e uma das minhas preferidas é “Suburbano Coração”, de Chico Buarque.



Cultura

Histórias de artistas mulheres

Interior of Alexandre Denis Abel de Pujol’s studio *oil on canvas  – Adrienne Grandpierre 1822

A nova exposição do Museu de Arte de São Paulo (Masp) Histórias das mulheres apresenta quase cem trabalhos, que datam do século 1 ao 19. Como o título indica não se trata de uma única história, mas de muitas, narradas por meio de obras feitas por mulheres que viveram no norte da África, nas Américas (antes e depois da colonização), na Ásia, na Europa, na Índia e no território do antigo Império Otomano.

É difícil falar de histórias feministas antes do século 19, por isso a exposição trará de histórias das mulheres. Segundo a curadoria, “olhar para as artistas dessa época, hoje, nos ajuda a estabelecer genealogias feministas. O encontro com essas várias precursoras nos convida, a repensar as hierarquias da história tradicional, que costuma celebrar a arte como uma atividade de homens brancos e europeus”.

A exposição, que fica até 17 de novembro, apresenta 60 pinturas, 2 desenhos e 34 tecidos de diferentes épocas e origens.

Masp – Av. Paulista, 1578
Até 17 de novembro de 2019
Consultar horários e valores de ingresso

Crivella é medieval

Feiras de livros sempre foram espaços democráticos, de debates de ideias – às vezes antagônicas – mas com respeito. O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, demonstrou, na semana passada, que a cabeça dos conservadores do Brasil ainda não saiu da Idade Média. Na quinta-feira, 5, o Crivella ordenou que um gibi da Marvel, contendo um beijo entre dois super-heróis, fosse apreendido.

O caso, que recebeu críticas internacionais e mobilizou a sociedade, continuou a se desenrolar nos dias seguinte. Uma liminar concedida no dia seguinte impediu o confisco das obras, mas no sábado, 7, O desembargador Claudio de Mello Tavares, presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, suspendeu a liminar.

Pouco adiantou, o gibi se esgotou em poucas horas, o youtuber Felipe Neto comprou 14 mil exemplares e distribui gratuitamente na entrada da Bienal. A sociedade precisa reagir rapidamente às trevas da censura.


Esporte

A queda do gigante

O Palmeiras montou um time milionário para enfrentar (e vencer) quatro competições: o Campeonato Paulista, a Copa do Brasil, a Libertadores e o Brasileirão. Foi eliminado nas três primeiras e está em queda livre na última. A cabeça do poderoso Felipão rolou após a derrota para o Flamengo, na mesma semana em que foi eliminado pelo Grêmio, na Libertdadores.

Consultamos alguns analistas esportivos para entender as causas dessa vertiginosa queda de um time quase imbatível até a parada da Copa América. Confira algumas análises.

Falta de opções táticas – O esquema de Felipão era considerado “engessado” e “previsível”, assim que os adversários assimilaram, ficou fácil anular.

Elenco rico, problemas gigantes – Com muitas estrelas (e fortes esquemas empresariais), Felipão teve de promover rodízio de jogadores, sem formar uma base definitiva.

Clube quermesse – O time continua a ser administrado por velhos métodos de cartolas, com um estádio arrendado para shows e ingressos exorbitantes, que afastam a massa alviverde mais pobre.

Contratações erradas – Gastou muito e gastou mal, essa é a sensação ao chegar quase ao final da temporada sem um grande centroavante, com jogadores que entraram e saíram sem ninguém perceber e outros que pouco acrescentam ao time.