Votação do projeto que privatiza saneamento é adiada

Sessão da Comissão que adiou a votação do PL 3261

Por Norian Segatto

A Comissão de Saneamento Básico, da Câmara Federal, se reuniu na quarta, 23.out, para discutir a proposta de novo marco legal ( Projeto de Lei 3261/19), que, na prática, privatiza o setor. A reunião foi tensa, com muita discussão entre os parlamentares. O projeto tem recebido críticas de diversos setores, prefeitos e companhias estaduais de saneamento.

Para o deputado Glauber Braga (Psol-RJ), caso a privatização ocorra, as empresas privadas vão procurar os bancos públicos para financiar as suas ações e vão aumentar as tarifas. Para ele, conforme noticiou a Agência Câmara, os bancos públicos devem financiar as empresas estatais para promover a universalização dos serviços básicos.

Diante dos impasses, o relator da comissão, deputado Geninho Zuliani (DEM-SP), vai apresentar na próxima terça-feira (29) novo parecer ao Projeto de Lei 3261/19. O acordo entre os membros da comissão é votar a proposta no dia 30.

Críticas

A privatização do saneamento não irá resolver os problemas de abastecimento, pelo contrário, além de não garantir a universalização dos serviços, existe a tendência, historicamente comprovada, de aumento nas tarifas.

A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária (ABES) fez coro às críticas e emitiu nota em que afirma: “Para a Associação, o PL não atende, em sua essência, o que a entidade prima como eixo central, ou seja, a busca da universalização, com foco em ter saneamento em todo o país. “Isso não foi atendido pelo texto, infelizmente, e por este motivo a ABES é totalmente contrária ao PL do Saneamento, especialmente no que diz respeito à questão da extinção dos contratos de programa e da alienação das ações.” (leia a íntegra clicando aqui).

Entidades dos movimentos sociais e sindicatos também criticaram o projeto e alertaram para as mudanças:

  1. Fere o pacto federativo, a organização e autonomia dos Estados, Municípios e do Distrito Federal ao impor condições que contrariam a Constituição, transformando os executivos e legislativos desses entes federativos em meros executores das ordens da União e impedindo que exerçam suas prerrogativas constitucionais;
  2. Propõe a extinção do contrato de programa para a prestação dos serviços de saneamento, anulando o preceito constitucional que garante a cooperação interfederativa e a gestão associada de serviços públicos entre os entes federados;
  1. Elimina os mecanismos de subsídio, principalmente o subsídio cruzado que garante a prestação dos serviços para as populações mais pobres e os municípios pequenos e de menor renda;
  1. Fragiliza o papel dos Municípios, dos Estados e do Distrito Federal na medida em que obriga os entes federados a aderirem ao novo marco legal sob pena de não poderem acessar recursos públicos; e determina que o Município indenize imediatamente os investimentos realizados e não amortizados, caso não “entregue” seus serviços ao “novo” operador, ou seja, impõe condições que não deixam alternativa às prefeituras exceto submeterem-se às novas condições;
  1. Impõe a Estados e Municípios a instituição de blocos de municípios para prestação de serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, desrespeitando a Constituição Federal, obriga a alienação das companhias estaduais de saneamento, e a promoverem concessões e parcerias público-privadas (PPPs);
  1. Redefine a titularidade dos serviços (serviços de interesse local e interesse comum) de forma contraditória à interpretação dada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o que não cabe, em hipótese alguma, a uma lei ordinária, pois se trata de prerrogativa exclusiva da Constituição Federal;
  1. Provoca profunda instabilidade jurídica que paralisará os investimentos e a liberação de recursos que estão em processo de contratação.
*Com informações Agência Câmara

Notícias Relacionadas

O que está por trás de mais uma prorrogação da venda das refinarias pela Petrobrás?

Guilherme Weimann

Petroleiras privatizadas ao redor do mundo protagonizaram grandes desastres ambientais

Andreza de Oliveira

“É uma tentativa de silenciamento”, diz Glauber Braga sobre ataques de Arthur Lira

Andreza de Oliveira