Um ano após a reforma da Previdência, petroleiros veem prejuízo crescer

Professora Danielle Motta trata em artigo da aposentadoria especial, um dos principais retrocessos impostos à categoria com as mudanças

Aposentados seguem com prejuízos na hora concessão da Previdência (Foto: Agência Brasil)

Por Danielle Motta*

A Reforma da Previdência, de novembro de 2019, trouxe forte impacto negativo na concessão da aposentadoria à categoria petroleira, principalmente com as novas regras da aposentadoria especial e na conversão de tempo especial.

A única ressalva nas medidas implementadas durante o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) foi a preservação do direito adquirido. O trabalhador que em 12/11/2019 já havia preenchido os requisitos para a aposentadoria, pode desfrutar do direito à aplicação da Lei anterior à reforma, normalmente é mais benéfica ao trabalhador.

Porém, a aposentadoria especial ganhou um contorno totalmente distinto do originário e se tornou quase que inalcançável. Antes da reforma, o trabalhador deveria comprovar os requeridos de exposição dos agentes físicos, químicos e biológicos por 15, 20 ou 25 anos.

Os petroleiros, especificamente, deveriam comprovar apenas os 25 anos de exposição, independentemente da idade. Não podemos ignorar, porém, a dificuldade dos trabalhadores em conseguir os documentos ambientais fidedignos (com as verdadeiras exposições ambientais) para a comprovação da aposentadoria especial. O  Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) dificilmente externa todos os agentes de exposição.

Mas se isso já era um empecilho, o novo formato tornou a concessão quase inalcançável. Com a reforma, para o alcance da aposentadoria especial é preciso preencher o tempo de contribuição especial (25 anos petroleiro) e mais o critério de idade (60 anos), algo que não era exigido.

Caso o trabalhador tenha iniciado a sua jornada de trabalho submetido a atividades especiais muito jovem, mesmo completando o exercício dos 25 anos de trabalho na atividade especial, terá que aguardar a condição idade. Com isso, o risco de adoecimento no exercício da atividade especial aumentou e muito.

Destaca-se ainda que com os novos critérios, a conversão do tempo comum para tempo especial (1.4 homem) e (mulher 1.2), não é mais possível para o tempo exercido da atividade laboral após 12 de novembro de 2019.

* Danielle Motta é mestre em Direito e professora de Direito Previdenciário e Direito do Trabalho

Posts relacionados

Sindipetro-SP decide entrar com ação coletiva contra descontos indevidos da AMS

Guilherme Weimann

MPT abre ocorrência sobre baixo número de efetivo na Replan

Andreza de Oliveira

Fechada por Bolsonaro, Fafen-PR produziria 30 mil metros cúbicos de oxigênio por hora

Luiz Carvalho

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade