Transpetro quer acabar com o SPIE

 

Por Norian Segatto

A certificação do Serviço Próprio de Inspeção de Equipamentos (SPIE) é definida pela NR-13 (norma regulamentadora), a qual a Transpetro São Paulo é certificada desde 2011, o que é uma garantia para a segurança dos trabalhadores e para a planta da unidade.

No entanto, como parte do projeto de desmonte do Sistema Petrobrás, a Transpetro informou que tem intenção de terceirizar o serviço. O motivo alegado é o de sempre: redução de custos.

Acabar com o SPIE não garante economia e aumenta o risco para as pessoas e a empresa. O diretor do Unificado, Felipe Grubba, enumera alguns benefícios de um serviço próprio de inspeção certificado:

– Aumenta a segurança operacional para os trabalhadores;

– Mantém a memória técnica sobre os equipamentos, que não é garantida em uma ação terceirizada;

– Reduz o custo operacional e de manutenção;

– Garante prazos maiores de Paradas de Manutenção;

– Aumenta a produtividade e vida útil dos equipamentos;

– As ações para garantia de integridade são auditadas por um órgão externo, com resultados submetidos a um comitê com representantes dos trabalhadores, empresas e governos.

Com esses benefícios, a Transpetro economiza, garante um melhor serviço e uma operação segura e responsável.

“Sem o SPIE corremos o risco de ter grandes acidentes na Transpetro resultantes da falta de integridade dos equipamentos, colocando os trabalhadores, a sociedade e o meio ambiente em risco”, avalia Grubba.

Posts relacionados

Governo quer abrir Transpetro a mercado de concorrentes

Andreza de Oliveira

Assembleias discutem luta contra privatização da Petrobrás e contribuição assistencial

Guilherme Weimann

Prestadora de serviços da Transpetro descumpre limitação de turno

Andreza de Oliveira