Transpetro quer acabar com o SPIE

 

Por Norian Segatto

A certificação do Serviço Próprio de Inspeção de Equipamentos (SPIE) é definida pela NR-13 (norma regulamentadora), a qual a Transpetro São Paulo é certificada desde 2011, o que é uma garantia para a segurança dos trabalhadores e para a planta da unidade.

No entanto, como parte do projeto de desmonte do Sistema Petrobrás, a Transpetro informou que tem intenção de terceirizar o serviço. O motivo alegado é o de sempre: redução de custos.

Acabar com o SPIE não garante economia e aumenta o risco para as pessoas e a empresa. O diretor do Unificado, Felipe Grubba, enumera alguns benefícios de um serviço próprio de inspeção certificado:

– Aumenta a segurança operacional para os trabalhadores;

– Mantém a memória técnica sobre os equipamentos, que não é garantida em uma ação terceirizada;

– Reduz o custo operacional e de manutenção;

– Garante prazos maiores de Paradas de Manutenção;

– Aumenta a produtividade e vida útil dos equipamentos;

– As ações para garantia de integridade são auditadas por um órgão externo, com resultados submetidos a um comitê com representantes dos trabalhadores, empresas e governos.

Com esses benefícios, a Transpetro economiza, garante um melhor serviço e uma operação segura e responsável.

“Sem o SPIE corremos o risco de ter grandes acidentes na Transpetro resultantes da falta de integridade dos equipamentos, colocando os trabalhadores, a sociedade e o meio ambiente em risco”, avalia Grubba.

Posts relacionados

Transpetro ameaça trabalhadores por velocidade registrada com equipamento impreciso

Andreza de Oliveira

Apesar da cobrança da FUP, Transpetro inicia desconto do banco de horas nesta quarta

Guilherme Weimann

Sem detalhes ou valores, Transpetro alega erro em banco de horas

Andreza de Oliveira