Trabalhadores da Transpetro realizam assembleias para escolher tabelas de turno

A partir desta quarta-feira (19), petroleiros da Transpetro poderão escolher uma das opções válidas de tabela para cada um dos terminais

Trabalhadores poderão escolher entre jornadas de oito ou de 12 horas (Foto: Roberto Parizotti)

Por Guilherme Weimann

O Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP) inicia, nesta quarta-feira (19), uma série de assembleias com trabalhadores da Transpetro – subsidiária integral da Petrobrás responsável pelo transporte e logística de combustíveis – para definir as tabelas de turno em cada uma das unidades.

Os petroleiros puderam sugerir tabelas de turno durante o mês de julho. Elas precisaram se enquadrar na legislação trabalhista para o turno ininterrupto de trabalho, que estabelece o interstício – descanso mínimo de 11 horas entre jornadas – e o repouso semanal remunerado – que prevê 24 horas contínuas de folga após seis dias de trabalho.

Leia também: Sindipetro recebe propostas de tabelas de turno de trabalhadores da Transpetro

No total, serão realizadas 20 assembleias nos terminais de Barueri, Guararema, Guarulhos e São Caetano do Sul, nas quais os petroleiros poderão escolher entre 14 opções de tabelas de turno, de oito e de 12 horas de jornada.

A jornada de 12 horas foi implementada de forma unilateral na Petrobrás e na Transpetro desde o início da pandemia de covid-19. A justificativa das empresas é diminuir as trocas de efetivos e, consequentemente, as interações entre os trabalhadores, o que diminuiria a chance de contágio. Com isso, houve a redução de cinco para quatro grupos em cada um dos setores.

O gargalo está no efetivo, não no regime.

Arthur Bob Ragusa, diretor da Federação Única dos Petroleiros

O Sindipetro Unificado-SP, entretanto, coloca-se contrário à jornada de 12 horas, por entender que ela fere a legislação trabalhista, expõe a saúde dos trabalhadores e camufla o problema da falta de efetivo mínimo nas unidades.

“O gargalo está no efetivo, não no regime. O trabalhador que é favorável a esse modelo acredita que não precisará fazer mais dobra, porque antes ia trabalhar oito horas e ficava 16. Mas, se houver qualquer problema, tem de ficar do mesmo jeito. A Lei 5811/72 prevê que as pessoas possam ser mantidas no local de trabalho dependendo das necessidades operacionais”, aponta o diretor da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Arthur Bob Ragusa.

Confira abaixo os horários das assembleias e as opções de tabelas disponíveis:

 

Barueri            

Quarta-feira (19/08)
7 horas – G5 e G3

19 horas – G4

 

Sábado (22/08)

19 horas –    G1 e G2

 

Guararema

Quinta-feira (20/08)

19 horas –    G2 e G3

 

Terça-feira (25/08)

19 horas –   G4 e G1

 

Segunda-feira (31/08)

19 horas –   G5

 

Guarulhos

Segunda-feira (21/08)

7 horas – G5 e G4

 

Terça-feira (25/08)  – Nova assembleia  em 28/08 às 19h.

07 horas – G3 e G2

 

Terça-feira (01/09)

19 horas – G1

 

 

São Caetano do Sul

Quinta-feira (20/08) – Nova assembleia no dia 01.09 no mesmo horário.

7 horas – G2 e G3

 

Segunda-feira (24/08)

19 horas – G1 e G4

Quarta-feira (26/08)

7 horas – G5

 

Opções de tabelas:

8 horas

Tabela 1

Tabela 2

Tabela 3

Tabela 4

Tabela 5

Tabela 6

Tabela 7

Tabela 8

Tabela 9

 

12 horas

Tabela 10

Tabela 11

Tabela 12

Tabela 13

Tabela 14

Posts relacionados

Após 20 meses de sua eleição, petroleiro tomará posse no CA da Transpetro

Guilherme Weimann

Na Replan, petroleiros decidem cortar apoio operacional e retomar mobilizações

Guilherme Weimann

Transpetro ameaça trabalhadores por velocidade registrada com equipamento impreciso

Andreza de Oliveira