Teaser de venda da Fafen-PR escancara incoerência da Petrobrás

Documento deixa claro que a atual gestão da estatal quer apenas desfazer de seus ativos, ignorando o grande potencial industrial da empresa

Fafen Araucária
Foto: Agência Petrobrás/Divulgação

Em paralelo à venda da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR), localizada na cidade de Araucária, a Petrobrás divulgou teaser, em parceria com o Banco Bradesco, mostrando as principais qualidades da empresa para os possíveis compradores. 

Sob justificativas de que a unidade estava trazendo prejuízos crescentes, a estatal colocou a Fafen-PR à venda em janeiro deste ano, cortando assim todo o passivo da unidade, o que culminou na demissão de mais de mil trabalhadores. 

Diretor de comunicação da FUP e do Sindiquímica-PR, Gerson Castellano explica que a Petrobrás, ao divulgar um teaser de venda da Fafen-PR recheado de qualidades que a companhia já havia julgado como problemas da unidade, é no mínimo incoerente. 

Com essa cartilha, toda a retórica de que a privatização da fábrica aconteceu porque a unidade não era interessante e nem dava lucros cai por terra, porque no anúncio a Petrobrás lista as vantagens que sempre mostramos.

Gerson Castellano, diretor da FUP e do Sindiquímica-PR

O dirigente também atentou para a relação que o Tribunal Superior do Trabalho (TST) teve com a Petrobrás no momento de privatização da unidade, o que acabou favorecendo o processo. “Tínhamos essa visão de que as demissões serviam para limpar o passivo trabalhista e deixar a fábrica nova para o comprador, e o TST, ao fazer a proposta, de certa forma ajudou a Petrobrás a executar essa manobra para facilitar a venda”, comentou. 

Privatização de longa data

A Fafen-PR já havia sido privatizada ainda durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, porém, foi novamente adquirida como subsidiária da Petrobrás em 2007, pelo então presidente Lula (PT).  

Assessor jurídico da FUP que atuou nas negociações do Sindiquímica-PR com a Petrobrás, o advogado Adilson Siqueira alertou que a empresa passa por um processo de desindustrialização desde meados de 2016, após o golpe que retirou Dilma Rousseff (PT) da presidência do Brasil. 

Entre os anos de 2018 e 2019, a Petrobrás tentou vender novamente a Fafen-PR, mas sem sucesso, por conta da crise no mercado. Então decidiu zerar o passivo trabalhista da fábrica para colocá-la novamente à venda, assim atrairia mais investidores pois estes não teriam de lidar com conflitos trabalhistas nem cobrança de ações.

Adilson Siqueira, assessor jurídico da FUP

Além de toda a categoria petroleira ter se mobilizado em uma greve histórica no início deste ano, em solidariedade aos demitidos da Fafen-PR, houve uma incansável tentativa de negociação com a Petrobrás para a não exoneração dos trabalhadores. “Teve até a intervenção de alguns deputados e governadores, mas é muito difícil o diálogo com um governo fascista”, lamentou Siqueira. 

 

Posts relacionados

Privatizações das refinarias, regulação e Estado: a tragédia brasileira

Guilherme Weimann

Oito motivos para ser contra a privatização da Petrobrás

Guilherme Weimann

STF permite privatizar Petrobrás e mobilização no sábado vira questão de sobrevivência

Luiz Carvalho

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade