Tabela de turno de 12 horas da Replan entra em vigor no dia 29

Sindicato e empresa assinaram acordo e petroleiros devem ficar atentos ao período de férias

Novo modelo de jornada de 12 horas entre em vigor ainda em janeiro (Foto: Itamar Sanches)

Após ser aprovada em assembleias entre os dias 16 e 22 de dezembro do ano passado na Refinaria Paulínia (Replan), a tabela de turno de 12 horas passa a vigorar no dia 29 de janeiro quando será feita a troca da tabela atual pela escolhida.

A reunião para assinatura do acordo entre o Sindicato Unificado dos Petroleiros de São Paulo (Sindipetro-SP) e as gerências de recursos humanos e de relações sindicais aconteceu nesta terça-feira (5), quando também ficou definido que haverá um sistema de mudança de horários para adequar a atual jornada com o novo modelo.

Para compensar o número de horas trabalhadas, serão necessários ajustes pontuais entre os grupos nos primeiros dias de transição:

Dia 29
G3 trabalha às 7h
G1 trabalha às 19h

Dia 30
G2 trabalha às 7h
G1 trabalha às 19h

O Sindipetro-SP alerta ainda que todos os trabalhadores com férias marcadas para datas posteriores a 29 de janeiro devem confirmar a folga com a gerência para verificar se não haverá a necessidade de ajustes por conta da adaptação dos turnos.

Leia também: Recap e Replan aprovam PLR e mobilizações contra a privatização do Sistema Petrobrás

O sindicato ressalta ainda que a assinatura do acordo extingue o processo referente à tabela 3 x 2, porém, não afeta a ação referente aos passivos da tabela anterior a esse modelo.

Coordenador da regional Campinas do Sindipetro-SP, Gustavo Marsaioli, aponta a importância de a posição da categoria prevalecer nos debates sobre os modelos de trabalho que são discutidos na Petrobrás.

“O processo de mudanças nos turnos vem desde a greve de fevereiro, parte da pauta era essa e sindicato debateu, defendíamos outra tabela, mas vale decisão da categoria. Se os trabalhadores entendem que esse modelo dará mais qualidade, é importante que seja firmado o acordo”, ressaltou.

Saiba mais: Avanços nas propostas da Petrobrás mostram que greve não foi em vão

Posts relacionados

A quem interessaria a privatização da AMS?

Guilherme Weimann

Petrobrás fere Acordo Coletivo e descumpre liminares relacionadas à AMS

Guilherme Weimann

Caravana unificada tem saldo positivo contra terceirizações em São Paulo

Andreza de Oliveira