Site permite questionar posicionamentos de políticos por meio de contato direto

A ferramenta “Na Pressão” proporciona à população cobrar diretamente os parlamentares em temas sensíveis do Congresso, por meio de e-mails e redes sociais

É recorrente a afirmação de que o Congresso Nacional, formado pela Câmara e pelo Senado, acabam modificando alguns posicionamentos de acordo com “a pressão das ruas”. Com as medidas de isolamento social necessárias para conter a pandemia de covid-19, entretanto, essa lógica foi modificada, pelo menos no sentido literal.

No último ano, a tendência crescente de participação social nos meios digitais alcançou um patamar ainda mais elevado, incluindo o exercício de debate e construção política. A partir disso, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) criou o site “Na Pressão”.

A ferramenta permite, a qualquer pessoa, enviar mensagens diretamente a parlamentares, com o objetivo de pressioná-los em relação a temas sensíveis à sociedade, principalmente relacionadas às privatizações de estatais. Na maioria dos casos, são disponibilizados WhatsApp, Facebook, Twitter e e-mail de deputados federais e senadores.

Atualmente, estão disponíveis cinco campanhas no site: “Não deixem vender o Brasil”; “Salve a Energia – Diga Não à Privatização da Eletrobras”; “PEC 186: Não mexam nos recursos de políticas públicas”; “Vacina para todos JÁ!”; e “O Banco do Brasil não pode ser de poucos”.

Em cada uma delas, estão disponíveis o perfil de cada um dos parlamentares, com seus posicionamentos relativos aos respectivos assuntos, divididos em “favoráveis”, “indecisos” ou “neutros”.

O principal objetivo da plataforma é oferecer a possibilidade a qualquer cidadão, principalmente neste momento de pandemia, cobrar os seus representantes sobre projetos que julgarem relevantes. 

Posts relacionados

Estudo da FGV debate importância da RNEST

Odara Monteiro

Estrella: “Petrobrás virou fundo de investimento no cassino financeiro internacional”

Guilherme Weimann

Petrobrás é acusada de divulgar publicidade enganosa sobre o preço da gasolina

Andreza de Oliveira