Site permite questionar posicionamentos de políticos por meio de contato direto

A ferramenta “Na Pressão” proporciona à população cobrar diretamente os parlamentares em temas sensíveis do Congresso, por meio de e-mails e redes sociais

É recorrente a afirmação de que o Congresso Nacional, formado pela Câmara e pelo Senado, acabam modificando alguns posicionamentos de acordo com “a pressão das ruas”. Com as medidas de isolamento social necessárias para conter a pandemia de covid-19, entretanto, essa lógica foi modificada, pelo menos no sentido literal.

No último ano, a tendência crescente de participação social nos meios digitais alcançou um patamar ainda mais elevado, incluindo o exercício de debate e construção política. A partir disso, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) criou o site “Na Pressão”.

A ferramenta permite, a qualquer pessoa, enviar mensagens diretamente a parlamentares, com o objetivo de pressioná-los em relação a temas sensíveis à sociedade, principalmente relacionadas às privatizações de estatais. Na maioria dos casos, são disponibilizados WhatsApp, Facebook, Twitter e e-mail de deputados federais e senadores.

Atualmente, estão disponíveis cinco campanhas no site: “Não deixem vender o Brasil”; “Salve a Energia – Diga Não à Privatização da Eletrobras”; “PEC 186: Não mexam nos recursos de políticas públicas”; “Vacina para todos JÁ!”; e “O Banco do Brasil não pode ser de poucos”.

Em cada uma delas, estão disponíveis o perfil de cada um dos parlamentares, com seus posicionamentos relativos aos respectivos assuntos, divididos em “favoráveis”, “indecisos” ou “neutros”.

O principal objetivo da plataforma é oferecer a possibilidade a qualquer cidadão, principalmente neste momento de pandemia, cobrar os seus representantes sobre projetos que julgarem relevantes. 

Posts relacionados

Operações envolvendo informações privilegiadas da Petrobrás continuam sem respostas

Guilherme Weimann

Ações do Supremo para ampliar terceirização não podem ser esquecidas

Luiz Carvalho

Após regularização dos salários, petroleiros suspendem greve em São Paulo

Guilherme Weimann