Sindipetro-SP se solidariza com mulheres vítimas de agressões em Campinas

Homem acusado é trabalhador da Refinaria de Paulínia e foi diretor do sindicato em gestões passadas

agressões
Sindipetro-SP conversou com algumas das vítimas e ofereceu apoio emocional e jurídico (Foto: Adobe Stock)

 

Editorial da Direção do Sindipetro-SP

Na noite do último sábado (25), de acordo com informações recebidas pelo Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro-SP), um grupo de mulheres sofreu agressões físicas e verbais de um trabalhador da Refinaria de Paulínia (Replan), da Petrobrás, e ex-diretor do sindicato, em um bar localizado na cidade de Campinas.

Logo após ser notificada sobre as denúncias, a direção do Sindipetro-SP entrou em contato com algumas das vítimas para prestar solidariedade e oferecer suporte emocional e jurídico – elas já estão sendo assessoradas pelo Mulheres Pela Justiça, coletivo formado por mulheres de diversas áreas que fazem atendimento e acolhimento a mulheres em situação de violência.

Além disso, o sindicato reafirma ser contra qualquer tipo de opressão, incluindo a de gênero. Há vários anos, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) iniciou um ciclo de formação sobre o tema, que culminou com a criação do Coletivo de Mulheres Petroleiras, em 2012, do qual participa a atual diretora e ex-coordenadora geral do Sindipetro-SP, Cibele Vieira. 

“Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres” – Rosa Luxemburgo

Posts relacionados

Vitória: Justiça do Trabalho determina execução do “Processo dos Feriados” da Replan

Vitor Peruch

Julgamento do STF invalida demissão sem justa causa em empresas públicas

Maguila Espinosa

Sindipetro Unificado convoca setoriais para debater alimentação na Replan

Maguila Espinosa