Sindipetro-SP entrega alimentos para Cozinha Solidária São Marcos em Campinas

Foram doados mantimentos arrecadados durante a festa de 20 anos da unificação do sindicato; também foi realizada uma aula pública sobre a Petrobrás

cozinha solidária
A cozinha oferece cerca de 500 refeições por dia de forma gratuita (Foto: Guilherme Weimann)

Por Guilherme Weimann 

Na última sexta-feira (16), o Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro-SP) realizou a doação de centenas de quilos de alimentos para a Cozinha Solidária São Marcos, localizada na periferia de Campinas (SP). Os mantimentos haviam sido arrecadados na festa de 20 anos de unificação do sindicato, realizada no dia 27 de agosto.

A cozinha funciona há um ano e três meses e, atualmente, serve cerca de 500 refeições por dia para pessoas afetadas pela atual crise econômica. O espaço conta com o apoio da Paróquia São Marcos, do Acampamento Marielle Vive e de diversas outras entidades. Os petroleiros contribuem, desde o início, com o gás de cozinha.

Além da entrega dos alimentos, o coordenador regional do Sindipetro-SP e diretor da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Arthur Bob Ragusa, realizou uma aula pública sobre a atual situação da Petrobrás.

“O preço de praticamente todos os produtos, desde os alimentos até as roupas que vestimos, é influenciado pelos combustíveis. E, durante o governo Bolsonaro, a Petrobrás tem se comportado como uma empresa privada, privilegiando os empresários e penalizando o povo. Precisamos, nesta eleição, eleger candidatos que possam devolver a Petrobrás aos brasileiros”, explica Ragusa.

Coordenadora da cozinha, Márcia Castagna Molina também apontou a hipocrisia das recentes diminuições dos preços dos combustíveis. “A Petrobrás estava vendendo a gasolina a preço de dólar. Por isso que a gasolina foi a quase R$ 8. Agora, há um mês da eleição, baixou para menos de R$ 5. Mas há um mês da eleição não resolve o nosso problema. Nós precisamos ter uma política permanente”, opina Molina.

Após vários depoimentos das pessoas presentes, a coordenadora da cozinha resumiu: “Ou a gente compra comida, ou a gente compra remédio, ou a gente compra o gás. Mas a gente precisa de tudo isso para viver. Atualmente, nós temos um salário de fome. Por isso, nós precisamos eleger um governo que garanta a soberania nacional na Petrobrás, um salário-mínimo digno e comida de verdade na mesa”.

Aposentado da Refinaria de Paulínia e voluntário da cozinha, Geraldo Cestarioli também apontou o que, na sua opinião, está em jogo na eleição que será realiza no próximo dia 2 de outubro. “Soberania é uma palavra muito profunda. A Petrobrás tem que ser respeitada e amada pelos brasileiros. Ela foi a única que acreditou que teria petróleo a seis mil metros de profundida no mar. Soberania é independência, de não depender de ninguém, só de nós mesmos. E justamente isso que está em jogo nessas eleições”, conclui.

Posts relacionados

Julgamento do STF invalida demissão sem justa causa em empresas públicas

Maguila Espinosa

Greve contra desmonte do Sistema Petrobrás completa 4 anos

Guilherme Weimann

Conselheiro da Petros, Radiovaldo Costa fará reuniões nas sedes do Unificado

Vitor Peruch