Saldo AF: Sindipetro Unificado conquista vitória em ação judicial

Decisão ordena a restituição dos valores descontados indevidamente dos trabalhadores da Replan desligados a partir de 20 de outubro de 2019

replan
A ação coletiva, iniciada em março de 2022, contestava a empresa por compensação de jornada/folgas além dos limites das normas coletivas e da legislação trabalhista (Foto: Vinicius Denadai/Sindipetro Unificado)

por Vítor Peruch

Após longo processo judicial, o Sindipetro Unificado obteve uma vitória significativa em favor dos petroleiros e petroleiras da Refinaria de Paulínia (Replan) na ação referente ao Saldo Acumulado de Folgas (Saldo AF).

O Saldo Acumulado de Folgas (Saldo AF) refere-se a um sistema implementado pela Petrobrás onde os trabalhadores submetidos a turnos de trabalho acumulavam dias de folga.

Porém, a empresa, sem respaldo em norma coletiva, passou a aplicar esse sistema além do que foi originalmente acordado, o que resultou em descontos indevidos nos valores rescisórios dos trabalhadores ao término de seus contratos.

A sentença declara esses descontos como ilegais e determina que os valores descontados indevidamente devem ser restituídos aos trabalhadores que foram desligados a partir de 20 de outubro de 2019.

A ação coletiva, movida em 10 de março de 2022, contestava a prática da empresa de compensação de jornada/folgas, que ultrapassava os limites estabelecidos pelas normas coletivas e pela legislação trabalhista.

O juiz não aceitou as objeções iniciais da Petrobrás, como a alegação de falha na petição inicial e a falta de legitimidade do sindicato para substituir os trabalhadores petroleiros. Além disso, determinou que as reclamações relacionadas a períodos anteriores a outubro de 2016 não poderiam mais ser consideradas.

Quanto ao mérito da questão, a sentença destacou que a prática da Petrobrás de acumular folgas além do estabelecido pelas normas coletivas configurava uma modalidade de compensação de jornada por banco de horas sem autorização, o que é considerado ilegal pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Apesar da ilegalidade persistir durante parte do processo, o Sindipetro Unificado já havia negociado a questão para os trabalhadores da ativa no último Acordo Coletivo de Trabalho, reconhecendo a possibilidade da prática do sistema de acúmulo de folgas, e permitindo a marcação de férias no melhor período para os trabalhadores e trabalhadoras. Porém, nesta vitória do sindicato, a sentença condenou a Petrobrás ao pagamento dos descontos indevidos nos valores rescisórios dos petroleiros e petroleiras aposentados, dispensados ou que se afastaram da Petrobrás durante o período.

O diretor do Sindipetro Unificado, Steve Austin, explica esta conquista que atinge aqueles que não estão mais trabalhando na ativa: “O sindicato já tinha conquistado a possibilidade do trabalhador da ativa zerar este Saldo AF no ACT [Acordo Coletivo de Trabalho] de 2023, possibilitando a marcação de férias no melhor período possível para ele. Mas agora, pela ação do nosso jurídico, conquistamos o pagamento do Saldo AF que foi descontado na saída dos aposentados”.

Essa decisão representa uma conquista importante para os trabalhadores representados pelo sindicato, garantindo o reconhecimento de seus direitos e a reparação pelos prejuízos causados pela prática ilegal da empresa.

O departamento jurídico do sindicato informou que a decisão é de primeira instância e pode ser contestada por meio de recurso, acrescentando que continuarão a acompanhar o caso de perto.

Posts relacionados

Sindipetro Unificado convoca para ato na Replan exigindo o fim dos equacionamentos

Maguila Espinosa

Bronca do Peão: Gestores do laboratório da Replan desrespeitam procedimentos

Vitor Peruch

Operadores do Pátio de Coque da Replan estão em greve desde segunda-feira (8)

Guilherme Weimann