Resultados confirmam que refino e distribuição dão lucro

Por Alessandra Campos

 

O setor de abastecimento da Petrobrás acumulou, em 2018, lucro líquido de R$ 8,4 bilhões, enquanto a BR Distribuidora, subsidiária da companhia e líder no mercado nacional de distribuição de combustíveis e lubrificantes, lucrou quase R$ 3,2 bilhões, um aumento de 177,4% sobre o ano anterior, segundo dados do Dieese. Os resultados contradizem a declaração do gerente executivo Claudio Costa, que afirmou aos trabalhadores do Edisp, no dia 25 de fevereiro, que “refino e distribuição não dão lucro”.

A frase, que tem sido repetida exaustivamente pelos entreguistas de plantão, nos governos de Michel Temer e, agora, de Jair Bolsonaro, foi dita por Costa na mesma semana em que o presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco, anunciou o lançamento em três meses de um pacote de desinvestimento de refinarias, com a venda de mais da metade da capacidade dessa área, inclusive de unidades na região Sudeste, onde estão localizadas a Recap e a Replan.
Com relação à BR, Castello Branco já havia comentado, no início deste ano, que a atividade de distribuição de combustíveis não é foco da companhia. A subsidiária já estava nos planos de desinvestimento do governo anterior, de Michel Temer. Em dezembro de 2017, a empresa teve seu capital aberto na Bolsa de Valores e a Petrobrás vendeu 28,75% do capital da distribuidora, por meio de IPO (oferta pública inicial, na sigla em inglês), por R$ 5 bilhões.

A operação envolveu cerca de 335 milhões de papeis (28,75%) e cada ação foi comprada pelo mercado por R$ 15. Hoje, essas ações valeriam em torno de R$ 8,2 milhões (R$ 24,48 por ação – cotação do dia 07/03), ou seja, R$ 3,2 milhões a mais do que o preço vendido há pouco mais de um ano, exatamente o mesmo valor do lucro líquido registrado pela empresa em 2017.
Após 14 meses desse lucro anunciado, 28,75% não estão mais no Sistema Petrobrás. São R$ 920 milhões de lucro que, sob o argumento de que “distribuição de combustíveis não dão lucro”, foram entregues a bancos e fundos financiadores de campanhas de políticos, como, por exemplo, o que indicou Cláudio Costa para gerente executivo da estatal.

Entreguismo
Essa conversa fiada de que “refino e distribuição não dão lucro” faz parte da estratégia para ocultar o real propósito desse governo, que é vender a bancos e fundos de investimento, a preço de banana, fatias lucrativas do patrimônio público. “O chamado desinvestimento da Petrobrás nada mais é do que o entreguismo. O investidor já tem de volta todo o dinheiro aplicado na compra dentro de um ano e, a partir daí, é só lucrar. Temos que continuar sendo do poço ao posto, porque toda a cadeia dá lucro”, afirma o diretor do Unificado Júlio Ferreira.

Posts relacionados

ANP exige que Petrobrás conclua venda de 69 campos de petróleo até o final do ano

Guilherme Weimann

Replan bate recorde de processamento de petróleo do pré-sal

Guilherme Weimann

Petrobrás apresenta novo prejuízo no terceiro trimestre

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade