Reportagem em quadrinhos: O país não pode parar

Reportagem e roteiro: Guilherme Weimann | Edição e arte: Vitor Teixeira

No final de abril, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os dados sobre a taxa de ocupação do primeiro trimestre de 2020, que engloba somente os efeitos do início da pandemia. Nesse período, 2,33 milhões de pessoas perderam o emprego, a maior queda desde o início da série histórica. Desse total, 1,9 milhão são trabalhadores informais. Com isso, 36,6 milhões, que representam 40% da classe trabalhadora brasileira, terão que enfrentar a maior crise sanitária do século praticamente sem seguridade social. Pior que eles, apenas os 12,9 milhões de desempregados e todos os outros que se juntarão nas estatísticas das próximas pesquisas. Mas espere, ainda existe uma estatística pior…

Infelizmente, o coronavírus explicitou a globalização da frase: “você não trabalha para a gente, você trabalha com a gente”. Hoje, ela funciona tanto em um filme do cineasta inglês Ken Loach, como nas quebradas de São Paulo. Numa corrida desesperada pela sobrevivência, o que contraditoriamente poderá resultar em mais mortes, o número de inscrições nos aplicativos de entrega disparou. No IFood, em março, foram 175 mil inscritos como candidatos a novos entregadores. Nesse cenário, os patrões tupiniquins que ainda mantém um “rosto” conseguiram a proeza de protagonizar os comentários mais escatológicos do período no qual os caixões se avolumam. Em debate recente na internet, a presidenta da Federação das Trabalhadoras Domésticas, a pernambucana Luiza Batista, resumiu como ninguém as disparidades do momento: “alguns enfrentam a tempestade em um iate, outros num barquinho”.

Posts relacionados

Mesmo com morte de petroleiro, Transpetro promove curso para retorno ao presencial

Luiz Carvalho

Petroleiros vacinados iniciam arrecadação de alimentos não perecíveis em Campinas

Guilherme Weimann

Após pressão do sindicato, Transpetro fará testagem quinzenal

Luiz Carvalho