Replan não acredita mais no seu estudo ‘robusto’ O&M?

Em 2017, a Replan implementou na área operacional um estudo de Organização e Métodos de Trabalho (O&M), com o objetivo de, supostamente, “adequar” os efetivos. Mas, em vez do ajustamento, houve redução no número de postos de trabalho. De forma unilateral, e com base em uma metodologia questionável, a empresa eliminou 54 postos.

Na tentativa de justificar o corte de operadores, a refinaria alegou diminuição de trabalho no regime de turno e a transferência de diversas atividades para o horário administrativo (HA). A empresa estabeleceu um número mínimo de operadores – os chamados OpMan – também no HA, para que essas demandas fossem supridas. Uma manobra que, atualmente, tem sido colocada em xeque pela própria empresa.

O O&M definiu uma lista de rotinas operacionais por setor e quais postos de trabalho seriam responsáveis.

Quase três anos após a aplicação do estudo, a empresa parece desacreditar em sua “ciência” e, de forma arbitrária, passa a descumprir as próprias determinações de números de postos de trabalho. Sob ordens gerenciais, os OpMan estão deixando suas funções de lado para cobrir postos no turno, com o agravante de serem convocados em horários diferentes do administrativo, no transporte do turno.
Essa manobra, além de ser um claro descumprimento de padrão da empresa – que deveria resultar em sistema de consequência aos gerentes -, entra em colisão com o O&M, tão ferozmente defendido como um estudo técnico, científico e robusto.

Como para quem quer dar mancada, qualquer muleta serve, a gerência argumenta que há uma “demanda reduzida de trabalho” no HA neste momento. Os trabalhadores questionam: “O que mudou nas rotinas, trabalhos de manutenção, otimização e planejamento de parada?”. E completam: “Onde o trabalho não continua o mesmo, é porque aumentou!”.

Na verdade, os gerentes estão utilizando um artifício para maquiar as horas extras e sucatear a refinaria, com clara redução do efetivo geral e descumprimento de procedimento que a própria empresa criou. Para tais pandilhas de plantão é preciso sempre lembrar dois mantras da categoria petroleira: “Mais Trabalhadores, Mais Segurança!” e “Não Estamos À Venda!”.

Posts relacionados

Após regularização dos salários, petroleiros suspendem greve em São Paulo

Guilherme Weimann

Petroleiros vacinados iniciam arrecadação de alimentos não perecíveis em Campinas

Guilherme Weimann

Na Replan, treinamentos sem dedicação exclusiva aumentam riscos de acidentes

Andreza de Oliveira