Replan inicia reparos nas unidades incendiadas

A Refinaria de Paulínia já iniciou os reparos nas duas unidades de craqueamento e destilação, que foram atingidas pela explosão e o incêndio ocorridos no dia 20 de agosto. Segundo a direção do Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP), ainda não existe um prazo para o término dos serviços e a retomada operacional dessas unidades. A Replan opera hoje com 50% de sua capacidade.
Equipamentos, como bombas, motores e turbinas, que foram incendiados, estão sendo removidos das áreas e encaminhados para o conserto nos respectivos fabricantes. A retirada do aparato que sofreu avaria é feita pela própria equipe de manutenção da Replan, que executa os serviços de rotina. As obras de recuperação da estrutura deverão começar ainda neste ano.
A unidade de craqueamento sofreu menos danos e deve ser reparada mais rapidamente do que a de destilação. Não existe, entretanto, possibilidade de partir o craqueamento sem a carga produzida pela destilação. “A destilação foi destruída e seus reparos vão demorar para ficar prontos. Não há uma previsão de retomada de 100% da carga da refinaria”, afirmou o diretor do Sindicato, Jorge Nascimento.

Investigação
A comissão de investigação prorrogou o prazo para a conclusão do relatório que aponta as causas do acidente. O documento, que inicialmente seria finalizado no dia 21 de setembro, será entregue na segunda quinzena de outubro. Junto com o relatório, a comissão deverá apresentar um plano de ações para a retomada da operação nas unidades sinistradas.