Replan bate recorde de processamento de petróleo do pré-sal

Refinaria de Paulínia, a maior da Petrobrás, alcançou o volume de 1,356 milhão de metros cúbicos de óleos processados da camada do pré-sal no mês de novembro

O fator de utilização da refinaria também ultrapassou os 90% (Foto: André Ribeiro/Agência Petrobras)

Pelo segundo mês consecutivo, a Refinaria de Paulínia (Replan) – a maior em capacidade de refino do Sistema Petrobrás –, localizada no interior de São Paulo, bateu recorde no processamento de petróleo extraído das reservas do pré-sal. Em novembro, a unidade alcançou a marca de 1,356 milhão de metros cúbicos, o que corresponde a 74% do total de óleo processado durante todo o mês.

Em outubro, a Replan já havia atingido a medida de 1,316 milhão de metros cúbicos, montante que significou 68% de toda a carga processada da refinaria. Os percentuais de participação de óleos do pré-sal foram crescendo gradativamente ao longo dos últimos meses: 47% em junho; 50% em julho; 59% em agosto; 67% em setembro; 68% em outubro; 74% em novembro.

O que também aumentou foi o fator de utilização efetiva (FUE) da refinaria, que é a porcentagem de aproveitamento da sua capacidade total de processamento, que é de 69 mil metros cúbicos de petróleo por dia. Em janeiro, o FUE foi de 71,9%; depois caiu para 44,4% em abril, em decorrência da pandemia; e no mês de outubro chegou a 91,8%.

Com produção que corresponde a 20% de todos os derivados produzidos no Brasil – incluindo gasolina, diesel, querosene de aviação, gás liquefeito de petróleo (GLP), óleo combustível, asfalto e bunker –, a Replan atende os mercados consumidores do interior de São Paulo, Sul de Minas, Triângulo Mineiro, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Acre, Goiás, Brasília (DF) e Tocantins.

A refinaria é uma das cinco que a atual direção da Petrobrás pretende manter sob controle estatal. Outras oito estão nos planos de privatização da companhia, incluindo a Refinaria Landulpho Alves (RLAM), localizada na Bahia, que foi a primeira construída no país.

Posts relacionados

Petrobrás: a falsa encruzilhada entre autoritarismo e democracia miserável de mercado

Guilherme Weimann

Sindipetro-SP cobra reunião emergencial com a Transpetro

Guilherme Weimann

Troca na Petrobrás não vai alterar a base da política de preços, avalia economista

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade