Registro de candidatura para eleições municipais vai até setembro

Quem irá concorrer já deve estar descompatibilizado de suas funções nos sindicatos

Devido à pandemia de coronavírus, o Congresso Nacional aprovou no início de julho a Emenda Constitucional 107/2020, que adiou o primeiro e o segundo turno das eleições municipais para 15 e 29 de novembro.

Com isso, o prazo final para a apresentação do pedido de registro de candidatura na Justiça eleitoral ficou para 26 de setembro e os representantes da classe trabalhadora que irão participar do pleito devem ficar atentos às datas.

Apesar de polêmicas trazidas pela reforma trabalhista, que acabou com o imposto sindical compulsório, premissa para estabelecer a obrigatoriedade de descompatibilização dos dirigentes de cargos nos sindicatos, o entendimento é que o distanciamento continua necessário até que exista uma definição do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Assim, continua valendo o prazo de quatro meses antes do pleito. Portanto, para estas eleições, o limite de desconexão terminou em 3 de junho. Trata-se, porém, de um afastamento temporário, que deve ser registrado pela entidade sindical em ata da diretoria.

Segundo dados do TSE, mais de 140 milhões de eleitores estão aptos a participar do pleito. A estimativa é que mais de 700 mil candidatos disputarão as 5.568 vagas de prefeitos e vereador nos municípios.

Para ser candidato é necessário ter nacionalidade brasileira, o pleno exercício dos direitos políticos (inclusive, quite com a Justiça Eleitoral), possuir domicílio eleitoral na circunscrição (região onde concorrerá) e estar filiado a um partido. Candidatos a prefeito e vice-prefeito devem ter ao menos 21 anos e quem disputará um espaço na Câmara precisa ter até 18 anos considerando a data da posse.

Posts relacionados

Trump x Biden: o próximo presidente dos EUA pode afetar o mercado de petróleo?

Luiz Carvalho

Sindipetro Unificado inicia ciclo de entrevistas eleitorais na próxima terça-feira (6)

Andreza de Oliveira

Verba para fiscalização trabalhista despenca pela metade no governo Bolsonaro

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade