Recap e Replan aprovam PLR e mobilizações contra a privatização do Sistema Petrobrás

2021 começará com resistência contra venda do patrimônio nacional

2021 pode começa como 2020, marcada por grandes mobilizações (Foto: Paulo Neves)

Os petroleiros da Refinaria Capuava (Recap), em Mauá, e da Refinaria de Paulínia (Replan), aprovaram em assembleias junto às bases, entre os dias 16 e 22 de dezembro, o acordo de Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e uma agenda de mobilizações convocadas pela Federação Única dos Petroleiros (FUP) contra a privatização do Sistema Petrobrás.

Com data ainda a ser definida, a federação indicou uma agenda que inclui um ato nacional contra a venda da Refinaria Landulpho Alves, na Bahia, e dos terminais no estado. Também foi estabelecido um dia nacional de luta em defesa da redução do preço do botijão de gás e a construção de uma greve contra a privatização de todos os ativos ligados à Petrobrás.

Outro tema presente nas assembleias foi o direcionamento da taxa de 0,3% da PLR líquida aos trabalhadores do sindicato para os anos de 2021 e 2022, aprovado pela categoria.

Pautas específicas

Tanto a Recap quanto a Replan optaram pelo turno de 12 horas e a mesma tabela, a C. Na Replan, onde a base já havia votado anteriormente, foi aprovada a minuta da Petrobrás para implementação imediata. Na Recap, onde houve a primeira escolha nas assembleias, os trabalhadores optaram por continuar a disputa sobre pontos polêmicos e rejeitaram a proposta da empresa.

Para o coordenador do Sindicato Unificado dos Petroleiros de São Paulo (Sindipetro-SP), Juliano Deptula, ao aprovar a agenda de lutas, a categoria mostra conscientização e um comprometimento com a Petrobrás muito maior do que o apresentado pelo governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

“A categoria demonstra confiar no sindicato e o comprometimento com a empresa e com o país, porque, mesmo que ainda não tenhamos ativos aparentemente em risco no Sudeste, todos as demais regiões estão na mira das privatizações. Mostramos que estamos juntos na luta por empregos e direitos para todos”, afirmou.

Para o coordenador de comunicação do Unificado-SP, Gustavo Marsaioli, a categoria considerou durante as assembleias, essencialmente, a aplicação dos turnos.

“Pesou a questão de implementar a tabela e não ter risco de não entrar para 3 x 2. E em relação à PLR, não é tão boa quanto à proposta que tínhamos anteriormente de regramento, mas entendemos que é um avanço ter algo dentro desse cenário, nesse governo”, ressaltou.

Leia também: Avanços nas propostas da Petrobrás mostram que greve não foi em vão

Pontos polêmicos

Em relação aos pontos polêmicos do Acordo Coletivo de Trabalho referente às tabelas de 12 horas e de oito horas, que impedem ainda a assinatura de um acordo, a FUP destaca a necessidade de incluir o item ‘após a assinatura do presente ACT no quesito que trata dos turnos, como forma de validar os termos acordados a partir da discussão recente.

Na tabela de 12 horas, a federação cobra que, onde houver alimentação in natura, a empresa conceda uma refeição principal e dois lanches por turno de trabalho no item que trata do Programa de Alimentação Saudável.

Outro ponto é inclusão do termo ‘com a participação da entidade sindical’ sobre ambas as jornadas para impedir que a Petrobrás adote decisões unilaterais em caso de questionamentos administrativas ou judiciais que invalidem ou prejudiquem as atuais tabelas.

Posts relacionados

MPT abre ocorrência sobre baixo número de efetivo na Replan

Andreza de Oliveira

Fechada por Bolsonaro, Fafen-PR produziria 30 mil metros cúbicos de oxigênio por hora

Luiz Carvalho

Sindipetro assina acordo para tabela de 12 horas em Barueri, Guarulhos e São Caetano

Luiz Carvalho

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade