Quem são os presidenciáveis e o que pensam da Petrobrás

Há pouco menos de um ano das eleições presidenciais brasileiras, 12 pré-candidatos concorrem à vaga; saiba quem são e o quais os posicionamentos e planos em relação à estatal

Menos de um ano para o primeiro turno das eleições presidenciais, possíveis candidatos já se manifestam sobre uma das maiores empresas brasileiras: a Petrobrás (Foto: Elza Fiúza/ABr)

Por Andreza de Oliveira 

Marcado para outubro do próximo ano, o primeiro turno das próximas eleições presidenciais conta com uma lista de 12 possíveis candidatos na corrida pelo Planalto em 2022.

Representando metade dos 24 partidos que ocupam o Congresso, a maior parte dos participantes que já foram oficializados como pré-candidatos para seguirem na disputa, que ainda pode mudar, já apresentou declarações sobre a Petrobrás ou o que farão caso sejam eleitos. Confira:

Alessandro Vieira, pelo Cidadania
Alessandro Vieira (Cidadania-SE) | Foto: Sergio Lima

Já oficializado como pré-candidato do partido, Alessandro Vieira é Senador pelo estado de Sergipe e delegado da Polícia Civil. Alinhado à bancada ruralista, ele ganhou destaque ao participar da CPI da covid.

Em 2019, Vieira disse em entrevista que, para ele, o arrendamento das Fábricas de Fertilizantes (Fafens) da Petrobrás era “uma questão de estratégia nacional”. Na época, ele afirmou que a estatal não havia apresentado segurança aos agricultores e que, se essas empresas parassem, o Brasil dependeria 100% da iniciativa internacional: “Não é inteligente colocar nas mãos do estrangeiro a composição de preço da nossa principal commodity”.

André Janones, pelo Avante
André Janones na Câmara dos Deputados
André Janones (Avante – MG) | Foto: Câmara dos Deputados

Deputado Federal pelo estado de Minas Gerais, Janones é advogado, está no primeiro mandato e já teve a pré-candidatura para a presidência oficializada pelo partido. 

Em outubro deste ano, por meio de uma rede social, ele se manifestou contra o aumento dos preços dos combustíveis e chamou seus seguidores para uma mobilização nas ruas. 

Apesar de não ter abordado a Petrobrás em suas entrevistas como pré-candidato, Janones já mostrou ser contra as ações governamentais do atual presidente, Jair Bolsonaro (PL), e também não aprova a candidatura do ex-presidente Lula (PT) por conta dos escândalos envolvendo a companhia. 

Cabo Daciolo, pelo Brasil 35
Cabo Daciolo lendo o regimento interno da Câmara dos Deputados
Cabo Daciolo (Brasil 35) | Foto: Wikimedia

Concorrente da eleição presidencial anterior, Daciolo é ex-deputado federal e ficou famoso pelos discursos conspiratórios. Oficializado como candidato pelo Brasil 35, o militar, apesar de posicionado na direita política, tem visão nacionalista e já se posicionou contra a venda da Petrobrás.

Nas últimas eleições, ele saiu em defesa das empresas públicas estratégicas, dizendo que não deveriam ser privatizadas. Em entrevista para o Agora RN no último mês, ele voltou a abordar o assunto: “O governo Paulo Guedes, que está entregando a nação toda, está privatizando a nossa galinha de ouro, que é a Petrobrás, que é a mola propulsora do país, que é a Eletrobrás, que o crescimento e industrialização do país precisa de eletricidade”. 

Ciro Gomes, pelo PDT
O candidato à Presidência da República, Ciro Gomes, do PDT, discursa durante o evento, Diálogos Eleitor, realizado pela União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços (Unecs).
Ciro Gomes (PDT) | Foto: José Cruz/Agência Brasil

Com candidatura ainda não oficializada por desavenças com o partido, Ciro Gomes também concorreu à última eleição presidencial e, por diversas vezes, já demonstrou ser contrário à privatização da Petrobrás e de outras estatais brasileiras. 

Ex-ministro da Fazenda, Gomes aborda constantemente, em suas redes sociais e entrevistas, a necessidade de manter a estatal como empresa pública. Ele também já declarou acreditar que, em algum momento, todos os governos anteriores já tentaram vender a Petrobrás. 

Felipe d’Ávila, pelo Novo
Felipe d’Ávila (Novo) | Foto: Youtube/Fecomercio SP/Reprodução

Segundo a concorrer ao cargo de presidente da República pelo partido Novo, Felipe d’Ávila é cientista político e já teve a candidatura oficializada.

Durante o lançamento de seu nome para concorrer às eleições, o candidato de espectro liberal prometeu que, se eleito, venderá a Petrobrás no primeiro dia de seu mandato. 

Jair Bolsonaro, pelo Partido Liberal (PL)
Presidente Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (PL) | Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Atual presidente da República, ex-deputado federal e militar da reserva, Jair Bolsonaro já mostrou durante três anos de mandato que é mais do que favorável à venda de estatais fundamentais para o país. No seu governo, a empresa já se desfez de mais de 400 ativos.

Seguindo a agenda liberal do ministro da Economia, Paulo Guedes, Bolsonaro chamou recentemente a empresa de “monstrengo” e diz ter planos para privatizar parte da companhia ainda antes de seu mandato se encerrar. 

João Dória, pelo PSDB
O governador de São Paulo, João Doria, fala à imprensa
João Doria (PSDB) | Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil

Governador de São Paulo e ex-prefeito da capital paulista, Dória já foi lançado oficialmente pelo partido como pré-candidato à presidência. 

Em uma das prévias eleitorais do PSDB, ele afirmou que privatizará a Petrobrás e o Banco do Brasil caso seja eleito e que a petrolífera deveria ser diluída em várias outras empresas – o que, na visão dele, diminuiria o preço dos combustíveis.

Leonardo Péricles, pelo Unidade Popular (UP)
Leonardo Péricles, coordenador nacional da Unidade Popular
Leonardo Péricles (UP) | Foto: Divulgação

Presidenciável pelo partido mais jovem do Brasil, Péricles é mineiro e já se posicionou contra a privatização das estatais brasileiras. No próprio site do partido, textos assinados por ele deixam clara a visão do político em relação às privatizações: “[…] Barrar as privatizações dos Correios, Eletrobrás, Petrobrás, Caixa Econômica e Banco do Brasil; suspensão e auditoria cidadã da dívida pública; redução do preço dos alimentos, do gás de cozinha, da energia elétrica e dos combustíveis.”

Luiz Inácio Lula da Silva, pelo PT
Lula em Jundiaí
Lula (PT) | Foto: Instituto Lula

Ex-presidente do Brasil e responsável por altos investimentos na Petrobrás durante seus dois mandatos, foi no governo de Lula que a empresa descobriu o pré-sal e bateu recorde de investimentos

O metalúrgico concorre às eleições após ter ficado preso por um ano em decorrência da Operação Lava Jato – condenação que foi anulada.

De esquerda e com caráter nacionalista, Lula defende constantemente o caráter público da Petrobrás e de demais empresas estratégicas para a soberania nacional. 

Rodrigo Pacheco,  pelo Partido Social Democrático (PSD)
Rodrigo Pacheco, preside sessao para analisar o marco legal das startups e do empreendedorismo
Rodrigo Pacheco, preside sessão para analisar o marco legal das startups

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco ainda não teve seu nome lançado oficialmente à presidência da República pelo partido.

Em novembro deste ano, o senador encontrou-se com Joaquim Silva e Luna para discutir os preços da Petrobrás. Em setembro, quando ainda era do DEM, ele se posicionou dizendo que a empresa precisava ter um olhar mais social para o preço dos combustíveis e que não era hora de pensar em privatização, apesar de concordar com a venda da estatal. 

Sérgio Moro, pelo Podemos
O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, fala à imprensa
Sergio Moro (Podemos) | Foto: Agência Brasil

Ex-magistrado e ex-ministro da Justiça do governo de Jair Bolsonaro, Moro foi o juiz responsável pelo julgamento em primeira instância da Operação Lava Jato, feito que deu notoriedade ao político e que prejudicou a imagem da Petrobrás. 

Agora presidenciável, Moro diz que é preciso um estudo para analisar se cabe a privatização da Petrobrás, apesar de já ter dito não ver problema na venda da empresa.

Simone Tebet, pelo MDB
Senadora Simone Tebet fala durante o quinto dia de julgamento final do processo de impeachment da presidenta afastada, Dilma Rousseff, no Senado.
Simone Tebet (MDB) | Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Única mulher, até o momento, anunciada como pré-presidenciável, Tebet criticou, em 2016, a redução da participação da Petrobrás na exploração do pré-sal com a apresentação da PEC 06/2016.

Tebet ainda não comentou publicamente o processo de privatização em curso da Petrobrás, mas já se posicionou contrária à venda de outra estatal, a Eletrobrás, como disse em entrevista ao Poder 360, em junho deste ano: “Desagradou o setor produtivo, principalmente a indústria, que vai pagar muito por uma energia mais cara e vai ter que inflacionar os produtos.” 

Alinhada com o setor produtivo, ela também cobrou recentemente em entrevista a conclusão das obras da Unidade de Fertilizantes da Petrobrás em Três Lagoas (UFN3), no Mato Grosso do Sul. 

 

Posts relacionados

Operadores do Pátio de Coque da Replan estão em greve desde segunda-feira (8)

Guilherme Weimann

Memórias: “A memória pra mim tem sabor de mudanças e atualizações”

Guilherme Weimann

Trabalho x Mercado: imprensa como arma de disputa pela Petrobrás

Guilherme Weimann