PROPAV demite 459 e retém Carteira de Trabalho dos trabalhadores da Recap

Trabalhadores protestam contra atrasos nos pagamentos e demissões arbitrárias

(Foto: Sindipetro Sp)

Por Vítor Peruch, matéria atualizada 06/12/2023, às 12h39

Em um desdobramento preocupante, a Propav Construção e Montagem, empresa prestadora de serviços à Petrobrás, demitiu 459 trabalhadores que desempenhavam suas funções na Refinaria de Capuava (Recap), localizada em Mauá. A dispensa ocorreu em meio a uma greve que se estende desde o dia 21 de novembro, motivada por atrasos nos pagamentos salariais e outros benefícios.

Os trabalhadores foram notificados da demissão na última terça-feira (28), durante uma reunião entre representantes da empresa e membros do Construmob. A Propav justificou as demissões alegando o rompimento de contrato com a Petrobrás.

Durante a reunião, a empresa propôs um parcelamento dos direitos trabalhistas dos funcionários, com o primeiro pagamento previsto para 22 de dezembro. Além disso, a Propav se comprometeu a liberar imediatamente o FGTS e fornecer o formulário para solicitação do seguro desemprego.

Na sexta-feira (1), em um gesto de solidariedade aos trabalhadores da Propav, um ato foi realizado, reunindo cerca de 500 trabalhadores. Apesar da empresa ter entregue o contrato, ainda não liberou as carteiras de trabalho dos funcionários, causando apreensão e indignação entre os presentes.

O ato, organizado pelo sindicato da construção civil (CONSTRUMOB), contou com a participação ativa do Sindipetro Unificado e da CUT ABC. Trabalhadores em greve da Propav, assim como funcionários próprios do turno e HA da Recap, e terceirizados de outras empresas, uniram-se para apoiar os companheiros e companheiras afetados pelas demissões.

O diretor do Sindipetro Unificado, Juliano Deptula, esteve presente no ato e reforçou a posição incisiva do sindicato nessa questão. “A gente vem cobrando a Petrobrás desde que a greve começou e cobrando a gestão da Recap para tomar ações para evitar esse tipo de coisa. Diante disso, a Petrobrás já está fazendo alguns aditivos de contrato para tentar incorporar todos os trabalhadores da Propav. Estão aguardando uma decisão contratual, já que não podem contratar ninguém enquanto estiverem ligados à Propav.”

Distribuição de cestas

Entre essa última sexta-feira (1) e terça-feira (6), o Sindipetro Unificado distribuiu cestas básicas par aos trabalhadores demitidos, com valores que foram arrecadados dos trabalhadores e do sindicato. Segundo a direção do sindicato, caso necessário, as distribuições devem seguir até esta quarta-feira (7).

Posts relacionados

Julgamento do STF invalida demissão sem justa causa em empresas públicas

Maguila Espinosa

Carta de um petroleiro punido

Maguila Espinosa

Greve contra desmonte do Sistema Petrobrás completa 4 anos

Guilherme Weimann