Programa de Aumento por Méritos da Petrobrás volta a gerar distorções, aponta FUP

Segundo Federação, modelo irá colocar trabalhador para concorrer com supervisor

Programa vai na contramão do reconhecimento à dedicação dos petroleiros (Foto: Reprodução O Petróleo)

Por Federação Única dos Petroleiros

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) e os sindicatos filiados já alertavam em 2018 para os riscos e prejuízos que os petroleiros amargariam com perdas de direitos e para a insegurança jurídica, caso aderissem ao Plano de Cargos e Remuneração (PCR).

O pacote foi uma jogada dos gestores para dividir e fragilizar a categoria e, novamente, a gerência da empresa cria ferramentas para gerar uma cultura de disputa entre os trabalhadores com as mudanças do Programa de Aumento por Mérito da Petrobrás.

Nessa segunda-feira (26), a gestão do novo presidente da empresa, Joaquim Silva e Luna, apresentou à FUP a nova proposta após ter sido divulgada para toda a força de trabalho.

Para a federação, o modelo dá continuidade ao programa criado pela gestão Castello Branco, demitido pelo presidente Jair Bolsonaro em fevereiro deste ano.

A categoria já viveu ataques desse tipo quando os governos neoliberais também colocaram à venda direitos históricos, como a progressão automática de nível a cada 12 e 18 meses, que vigorava até 1997, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

A FUP levou dez anos para recuperar a progressão salarial, ao pactuar, em 2007, o Plano de Classificação e Avaliação de Cargos (PCAC), que garantiu o avanço de nível por antiguidade a cada 24 meses, recuperando somente em 2011 o modelo 12, 18 e 24 – já extinto para quem migrou para o PCR.

O Programa de Aumento por Mérito apresentado agora resgata o formato que gerava diversas distorções, colocando diferentes para concorrer como se fossem iguais.

Colocar o trabalhador para concorrer com o supervisor induz o gerente a contemplar o segundo, por isso havia a separação de verbas para trabalhadores com e sem função gratificada.

Ao voltar a considerar o valor do nível e não percentual de contemplados, a concessão de um nível para um empregado com salário mais alto consumirá a verba que poderia contemplar várias pessoas com salários mais baixos.

Essas mudanças podem induzir um gerente a fazer um cálculo e distribuir a verba à sua equipe, ao invés de contemplar pelo desempenho apresentado. O valor do nível, entre pessoas com atribuições desiguais, não deveria ser uma variável da cabeça dos gestores ao avaliarem os desempenhos em suas equipes.

Para quem permaneceu no PCAC, a empresa extinguiu o nível de 12 meses. Os de 18 e 24 estão mantidos devido à carta compromisso que os garantem.

Enquanto no PCR, na melhor das hipóteses, alguém poderá receber até 3 níveis, em função da limitação de verbas, uma grande parte ficará sem a conquista. Já no PCAC, na melhor das hipóteses, poderá garantir 1 nível em 18 meses.

Porém na pior das hipóteses, no PCAC está garantindo 1 nível em 24 meses e no PCR poderá ficar até 5 anos para atingir o valor, o que antes era garantido para todos e agora apenas para quem não receber nível algum nesse período.

Problemas gerais

Programas de desempenho, de modo geral, ao serem aplicados sempre criam muitas distorções. Por isso, o movimento sindical sempre busca fortalecer o avanço automático por tempo de serviço.

Ao analisar a estrutura do programa é necessário determinar qual o tipo de comportamento procura valorizar.

Com as mudanças, fica claro que a intenção é voltar ao que era, ou seja, as distorções voltarão. Mas será que a gestão da empresa não sabe disso ou será que o que eles querem mesmo é contemplar apenas quem tem algum cargo para cooptá-lo às equipes de contingência?

Ao perseguir quem exerceu o direito de permanecer no PCAC, está perseguindo aqueles que não cedem a pressões constantes no dia-a-dia da Petrobrás.

Ao voltar a considerar o valor do nível em si, a companhia induzirá os que estão no topo da carreira a ficarem estagnados e aceitarem sair no Programa de Demissão Incentivada Voluntária (PDIV).

A direção da FUP compreende que a demissão de Castello Branco representa uma possibilidade de interrupção dessa política de RH no sistema Petrobrás e espera que o novo presidente Silva e Luna cumpra verdadeiramente o que tem prometido, valorizar os trabalhadores e trabalhadoras que constroem o dia a dia da companhia.

Leia também: Petrobrás concede pagamento adicional aos trabalhadores que furaram a greve na Replan

Posts relacionados

Com apoio de petroleiros, famílias ocupam terreno da Petrobras em Itaguaí (RJ)

Guilherme Weimann

Operações envolvendo informações privilegiadas da Petrobrás continuam sem respostas

Guilherme Weimann

Ações do Supremo para ampliar terceirização não podem ser esquecidas

Luiz Carvalho