PP-3: não vamos aguardar essa bomba estourar no colo dos beneficiários

No dia 4 de fevereiro, o Sindicato realizou na Regional São Paulo um seminário sobre a Petros. O objetivo, segundo o coordenador do Unificado, Juliano Deptula foi “coletivizar as informações a respeito do fundo de pensão, debater a atual situação e propor medidas contra o Plano Petros 3, a nova bomba-relógio que está prestes a estourar”.

Além dos diretores do sindicato, o seminário contou com a participação Paulo César Martin, que é membro do Conselho Deliberativo da Petros e diretor do Sindipetro Bahia, e Luiz Felipe Leal Junior, assessor da FUP para assuntos do fundo de pensão.

Durante o seminário foram apresentadas algumas importantes informações:

  • O plano PP-3 é praticamente um espelho da resolução 25, de 6 de dezembro de 2018 (http://www.planejamento.gov.br/assuntos/empresasestatais/legislacao/resolucoes/181206_resolucao-no-25-dou.pdf)
  • O PP-3 é um plano CD (Contribuição Definida) com contas individualizadas, ou seja, deixa e ser BD (Benefício Definido) e, consequentemente, vitalício.
  • A participação e paridade caem para 2% a 8,5% (atualmente chega a até 11%). Esta paridade só será aplicada à ativa até o limite dos 55 anos. Aposentados, pensionistas e quem se aposentar ou ultrapassar os 55 anos perdem a paridade, ou seja, a Petrobrás deixa de participar e assistir esse beneficiário, ele passa a assumir sozinho os riscos.
  • Acabou a reserva acaba o benefício.
  • Quem fizer a opção ao PP-3 está migrando para um plano sem vínculo algum com as regras do PPSP.
  • O cálculo do benefício deixa de ser vinculado ao salário e passa à reserva, sendo importante observar alguns pontos que interferem na redução da reserva:
  1. a) Trabalhadores da ativa podem sacar 15% ou 100% da reserva deduzindo IR.
  2. b) Aposentados e pensionistas podem sacar 15% da reserva deduzindo IR.
  3. c) O equacionamento será descontado no cálculo da reserva
  4. d) Quanto maior a idade do participante menor será a sua reserva.

7) A antecipação do déficit não é um favor aos trabalhadores e sim uma obrigação da Petrobrás.

8) Por mais que a Petrobrás negue, não se pode descartar a possibilidade, de a empresa fechar o PP-2 e retirar o patrocínio fazendo os novos funcionários entrarem diretamente no PP-3 e forçando a migração dos participantes do PP-2.

9) Por trás desse processo, e junto com a redução da AMS e de direitos garantidos no ACT, está a busca pela diminuição do passivo trabalhista com o claro objetivo de tornar a Petrobrás mais atraente aos investidores, facilitando assim sua privatização.

Ao final do debate diversas deliberações e encaminhamentos de luta foram tomados, como o de mostrar para a categoria os riscos do PP-3 e organizar uma campanha nacional contra o novo plano.

Posts relacionados

Golpe: Sindipetro-SP não realiza ligações solicitando depósito

Andreza de Oliveira

Pagamentos dos empréstimos da Petros estão suspensos por três meses

Andreza de Oliveira

Planos de previdência complementar podem ser transferidos para bancos

Andreza de Oliveira