Plataformas e navios registram surtos de covid-19 nas últimas semanas

Como medida mitigatória, Petrobrás anunciou o retorno da redução de efetivo nas plataformas marítimas

Surto na P-69 motivou denúncia do Sindipetro-LP junto ao MPT (Foto: Léo Souza/Banco de Imagens da Petrobras)

Por Guilherme Weimann

A contaminação de trabalhadores petroleiros tem crescido nas últimas semanas, principalmente em plataformas marítimas e navios da Petrobrás. Foram registrados surtos em pelo menos cinco plataformas do Norte Fluminense (P-56, P-25, P-47, P-35 e P-55), uma no Rio Grande do Norte (PUB 03) e uma no Litoral Paulista (P-69).

Na última semana, 12 tripulantes de um navio da Transpetro – subsidiária integral da Petrobrás – testaram positivo e tiveram que esperar oito dias dentro da embarcação, ancorada em São Sebastião (SP), até serem removidos por técnicos da Vigilância Sanitária Municipal.

De acordo com o último Boletim de Monitoramento da Covid-19, do Ministério de Minas e Energia (MME), dos 45.403 trabalhadores da estatal, 2.872 foram contaminados e três morreram. Além disso, 2.624 já teriam se recuperado.

Leia também: Pesquisa da Fiocruz contradiz Petrobrás e indica relação entre coronavírus e trabalho

Como resposta ao aumento de casos, a direção da petroleira decidiu reduzir ao mínimo o número de trabalhadores embarcados, o que já havia ocorrido no início da pandemia, entre os meses de abril e maio.

Essas ações da empresa vieram após denúncias de negligências em relação às medidas de segurança por parte dos sindicatos da categoria. O Sindicato dos Petroleiros do Litoral Paulista (Sindipetro-LP), por exemplo, apresentou uma denúncia ao Ministério Público do Trabalho (MPT), Agência Nacional do Petróleo (ANP) e Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) pela falta de segurança operacional no surto ocorrido na P-69.

Já o Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF) e o Sindicato dos Petroleiros de Caxias (Sindipetro-Caxias) apresentaram denúncia na Comissão de Trabalho da Assembleia Legislativa do Estado Rio de Janeiro (Alerj) pelo descumprimento das medidas de segurança por parte da empresa, que estaria omitindo dados sobre o número de contaminados.

Um parecer científico realizado pela Fundação Oswaldo Cruz, em outubro, apontou que o “diagnóstico da covid-19 em petroleiros é presumidamente relacionado ao trabalho” e que casos de coronavírus na estatal equivale a 4.448 por cada 100 mil pessoas, incidência maior que o dobro da verificada na população brasileira, que é de cerca de 2 mil casos por cada 100 mil habitantes.

Direitos 

Nesta semana, o MPT publicou a Nota Técnica nº 20, que elenca medidas de prevenção e protocolos para empresas, trabalhadores e sindicatos em relação ao novo coronavírus. Um dos principais pontos destacados é que a covid-19 está enquadrada como doença ocupacional: “pode ser considerada doença do trabalho quando a contaminação do (a) trabalhador (a) pelo SARS-CoV-2 ocorrer em decorrência das condições especiais de trabalho”.

Além disso, o documento chama atenção para a necessidade de notificação dos casos de contaminação dentro do local de trabalho. Quando qualquer trabalhador é contaminado, a empresa necessita emitir um documento chamado CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho), que tem como objetivo informar o ocorrido à Previdência Social.

Caso a empresa se negue a emitir o CAT, ela poderá ser multada. Neste caso, os sindicatos podem emitir o documento e exigir que a previdência inicie o processo de apuração do acidente.

Posts relacionados

Sindipetro-SP decide entrar com ação coletiva contra descontos indevidos da AMS

Guilherme Weimann

MPT abre ocorrência sobre baixo número de efetivo na Replan

Andreza de Oliveira

Fechada por Bolsonaro, Fafen-PR produziria 30 mil metros cúbicos de oxigênio por hora

Luiz Carvalho

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade