Petros: Liminar do Unificado que impede cobrança continua valendo

A suspensão da liminar obtida pelo Sindipetro-RJ, que impedia a cobrança de contribuição extraordinária para o Plano de Equacionamento do Déficit (PED) da Petros, neste mês de maio, trouxe dúvidas e preocupação para muitos petroleiros do Unificado. O advogado João Antônio Faccioli esclarece que a liminar do Sindipetro-SP não foi revogada e ele acha muito difícil que isso aconteça.

“O recurso da Petros não foi acatado e nossa liminar continua valendo. Penso que seja muito difícil cassar a nossa liminar, porque nosso processo é muito diferente do processo do Sindipetro-RJ. O nosso é bem focado no equacionamento do PPSP, enquanto o do Rio traz outras demandas que, talvez, podem ter confundido a cabeça do juiz na hora de conceder a liminar”, justificou o advogado.

Faccioli informou que o processo do Sindicato estava com o Ministério Público para um parecer e, posteriormente, será encaminhado ao juiz, para deliberação sobre a realização de perícia.

O advogado lembra que nos dias 4, 5 e 11 de junho serão realizadas reuniões nas regionais do Sindicato para discutir e tirar dúvidas sobre o PP-3. “Convido os petroleiros a participarem, pois vamos esclarecer os pontos econômicos, as implicações futuras e jurídicas e o que a adesão ao PP-3 pode implicar na sua vida. Acho que vale a pena comparecer à assembleia antes de tomar qualquer decisão, porque o canto da sereia não é tão bonito quanto a Petros está propagando por aí”, alertou.

Posts relacionados

Recálculo da previdência (PL-DL 1971): Ações do Sindipetro-SP tramitam na Justiça

Guilherme Weimann

“Com os descontos da Petros, não estou nem conseguindo fazer mercado”

Guilherme Weimann

Descontos da AMS são maiores em novembro por conta do 13º salário

Andreza de Oliveira