Petroleiros de todo o Brasil iniciam greve nacional por tempo indeterminado

Categoria reivindica a manutenção da operação da Fafen-PR e o cumprimento de cláusulas de Acordos Coletivos de Trabalho. Movimento também quer chamar a atenção da sociedade para os efeitos negativos da política de reajustes dos combustíveis e para a venda de ativos da Petrobrás, como as refinarias

Petroleiros entram em greve em todo o país (Foto: divulgação FUP)

[Da Comunicação da FUP]

Petroleiros dos 13 sindicatos filiados à Federação Única dos Petroleiros (FUP) iniciam, à zero hora deste sábado (1/2), uma greve nacional por tempo indeterminado. A categoria reivindica a revisão do fechamento da Ansa/Fafen-PR e o cumprimento de cláusulas de Acordos Coletivos de Trabalho (ACT) da Petrobrás e suas subsidiárias, como a Ansa.

A paralisação da Fafen-PR, anunciada pela Petrobrás em 14 de janeiro, surpreendeu a categoria. O fechamento da unidade vai provocar a demissão de 1.000 pessoas, e por isso deveria ter sido previamente negociado com os sindicatos que representam os trabalhadores da unidade, como determinado pela cláusula 26 do ACT da Ansa – o que não ocorreu.

O fechamento da Fafen-PR ainda ameaça outros 2.000 empregos nos setores de comércio e serviços no município de Araucária, onde a fábrica está instalada, e em outras cidades da região metropolitana de Curitiba. Segundo dados do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Zé Eduardo Dutra (Ineep), somente Araucária vai sofrer impacto negativo de R$ 75 milhões anuais com a demissão dos trabalhadores da Fafen-PR e a perda de suas rendas. O impacto negativo anual em ICMS sobre os cofres do governo do estado do Paraná pode chegar a R$ 50 milhões.

Os petroleiros ainda reivindicam que a Petrobrás cumpra outras negociações obtidas no fechamento do ACT, em novembro, que foi mediado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). A empresa vem tomando decisões por conta própria e não negocia com a categoria questões como tabela de turno, banco de horas, plano de saúde e participação nos lucros, o que havia sido determinado pelo TST.

Abastecimento garantido e conscientização da população

Mesmo com a greve, os petroleiros garantem que vão manter o abastecimento de combustíveis, para não prejudicar a população. Contudo, vão aproveitar o movimento e continuar a campanha, iniciada em novembro de 2019, para conscientizar a população sobre os efeitos negativos para o bolso dos consumidores da política de reajustes de combustíveis que vem sendo mantida pela atual gestão da Petrobrás e da venda de ativos da companhia, como as refinarias.

Sob o mote “Privatização da Petrobrás: isso é da sua conta!!”, os petroleiros querem mostrar que o atrelamento do reajuste da gasolina, do óleo diesel e do gás de cozinha ao mercado internacional e o aumento das importações desses produtos deixam o Brasil exposto a flutuações de preços no exterior. O conflito entre Irã e Estados Unidos no início deste ano é um exemplo do risco que os brasileiros correm com essa política.

Outro risco é a venda de oito refinarias da Petrobrás, que está sendo conduzida pela atual diretoria da empresa. Essas plantas, já amortizadas, são uma garantia de abastecimento e de preços justos para o mercado brasileiro, mas a Petrobrás já vem reduzindo sua utilização, de 95% para 75%. E ao contrário do que a atual gestão da Petrobrás aponta, a venda dessas unidades não vai garantir aumento da concorrência, pois gargalos logísticos vão impedir qualquer competição.

A campanha ainda chama a atenção para a desindustrialização do país que a redução dos investimentos da Petrobrás vem provocando. Os R$ 104,4 bilhões que a empresa investiu em 2013 caíram para R$ 49,4 bilhões em 2018, afetando diversos segmentos de fornecedores de bens e serviços da cadeia de óleo e gás.

Outro fator preocupante é o desemprego. Entre trabalhadores próprios e terceirizados, a Petrobrás demitiu cerca de 270 mil pessoas entre 2013 e 2018, segundo aponta o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE). Isso representa um impacto sobre mais de 1 milhão de pessoas, considerando as famílias, e engrossa as altas taxas de desemprego do Brasil.

Posts relacionados

Julgamento do STF invalida demissão sem justa causa em empresas públicas

Maguila Espinosa

Carta de um petroleiro punido

Maguila Espinosa

Conselheiro da Petros visita a Replan e dialoga com aposentados em Campinas

Guilherme Weimann