Petroleiros arrecadam 116 cestas básicas em Campinas (SP)

Alimentos serão entregues a famílias em situação de vulnerabilidade na próxima semana

Distribuição das cestas será realizada na próxima semana em bairros periféricos (Foto: Eric Gonçalves/Sindipetro-SP)

Por Guilherme Weimann

Nesta quinta-feira (13), aposentados que já foram vacinados contra a covid-19 se reuniram na sede do Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro-SP), em Campinas (SP), para organizar os alimentos que foram arrecadados entre os dias 27 de abril e 7 de maio.

Por meio de um mutirão de trabalho, foram montadas 116 cestas de alimentos não perecíveis. Arroz, óleo, sal, macarrão, açúcar, café, farinha de milho e feijão são alguns dos produtos, doados por meio da solidariedade da categoria petroleira, que serão destinados a famílias em situação de vulnerabilidade – agravada pela pandemia da covid-19.

A distribuição das cestas ocorrerá ao longo da próxima semana, no entorno de escolas localizadas no Campo Grande, Ouro Verde, Santa Lúcia e Satélite Íris – bairros periféricos nos quais o Sindipetro-SP mantém diálogo desde o início do ano passado, quando foram doadas centenas de alimentos orgânicos, botijões de gás e produtos de higiene.

De acordo com o coordenador da Associação Beneficente e Cultural dos Petroleiros (ABCP), Silvio Marques, existe a perspectiva de transformar a iniciativa em uma campanha permanente até o final deste ano.

Petroleiros esperam transformar a iniciativa em campanha permanente até o final deste ano (Foto: Eric Gonçalves/Sindipetro-SP)

“Essa cestas mostram o espírito dessa categoria, que é aguerrida, tem consciência política e sempre cultivou a solidariedade de classe. E vamos incentivar ainda mais o espírito de solidariedade, na expectativa de arrecadar mensalmente entre 80 e 100 cestas até dezembro”, afirma Marques.

Pobreza

De acordo com levantamento da Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc), o município de Campinas bateu recorde em abril no número de famílias inscritas no programa Bolsa Família, chegando a 41.747, alta de 30% em comparação a março de 2020, quando começou a pandemia.

O levantamento considera que foram beneficiadas 114,4 mil pessoas, o que corresponde a 9% da população que está vivendo em situação de pobreza. Deste total, o levantamento considera que pelo menos 34.027 famílias estariam em condição de extrema pobreza sem o benefício.

“Nós estamos cumprindo um papel que é do Estado. Esse aumento da pobreza é resultado de uma política negligente em relação à pandemia, que não foi atrás das vacinas necessárias e que continua negando o auxílio emergencial. Quem tem fome, tem pressa”, opina Marques.

De acordo com o Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades da Universidade de São Paulo (Made-USP), a redução do auxílio emergencial de R$ 600 a R$ 1.200 para uma média de R$ 250 levará 61,1 milhões de pessoas a viverem na pobreza e 19,3 milhões na extrema pobreza.

Posts relacionados

Sindipetro Unificado participa de ato em defesa da Justiça do Trabalho

Maguila Espinosa

Conselheiro da Petros, Radiovaldo Costa fará reuniões nas sedes do Unificado

Vitor Peruch

Edital de convocação de assembleia

Ademilson Costa