Só toco samba

Maurício Pito no show de lançamento de seu disco

 

Você já foi à avenida ver um desfile de escola de samba? Já sentiu o coração pulsar forte ao som da bateria, da arquibancada cantando e dançando? Agora, imagine se toda essa energia, toda a comunidade, com suas cores, fantasias, passistas e cabrochas entoasse um samba seu? Pois foi essa emoção que Maurício Pito, sentiu. Quatro vezes!

“Não dá para descrever, é bom demais, é a maior realização da minha vida”, conta o petroleiro de 37 anos de idade, 11 deles vividos na Petrobrás, primeiro no Edisp e agora no RH-AMS do Edicon.

 

Infância musical

O gosto pela música surgiu cedo na vida de Maurício, seu avô, o cantor Francisco de Paula, foi sua primeira e grande referência. “Aos oito anos de idade comecei a estudar violão e órgão”, e a paixão pela música nunca mais o abandonou. Aprendeu a tocar cavaquinho – hoje seu instrumento preferido – violão, saxofone e, a partir de 2003 passou a estudar canto regularmente, desde 2017 é aluno no Instituto Negra Voz.

 

Samba campeão

Com os instrumentos veio a vocação de compositor, entre 2009 e 2016 integrou a Ala de Compositores da Acadêmicos do Tucuruvi, foi lá que emplacou seu primeiro samba-enredo, em 2012. No ano seguinte, novamente sua composição foi escolhida para representar a escola na avenida.

A partir de 2015 passou também a integrar a Ala de Compositores da Unidos do Peruche, sendo finalista em três ocasiões. No carnaval de 2020 terá sua música cantada pela Escola de Samba Estrela do Terceiro Milênio, que sagrou-se campeã do Grupo de Acesso em 2019 com o samba Coragem! Somos nós que fazemos a vida! Advinhe quem foi um dos compositores? Maurício Pito. “Esse samba teve a parceria de outros compositores, entre eles o Felipe Mendonça, meu colega petroleiro, que era do Compartilhado no Edisp e está em Santos agora. O Felipe é meu parceiro em todos os sambas que foram campeões”, revela.

 

Samba e projeto social

Uma das motivações de Maurício é poder utilizar a música como elemento de inserção social. “A minha praia é o samba e é com ele que eu tento contribuir para melhorar a sociedade, busco levar a música para comunidades carentes”, explica. Entre outras atividades, em 2013 fundou o Movimento Cultural Samba da Pracinha, no bairro do Tremenbé, zona norte de São Paulo, é compositor da Comunidade Samba da Vela (https://pt-br.facebook.com/sambadavela/) e é o idealizador das Oficinas de Samba Eterno Aprendiz, que ensina musicalização para crianças e adultos.

 

Em 2017 Maurício Pito lançou seu primeiro disco autoral, Vem de lá, cujas faixas podem ser apreciadas na plataforma do Youtube. Confira a qualidade musical deste petroleiro que tem muito samba no coração.

Por Norian Segatto