Petrobrás negocia venda da Refinaria Landulpho Alves por preço abaixo do mercado

Proposta vencedora dos Emirados Árabes é menor do que o valor real da refinaria, segundo estimativas do Ineep e BTG Pactual; ex-governador da Bahia assina ação que pede suspensão da privatização

Refinaria baiana é a segunda em capacidade de processamento de derivados do país (Foto: Divulgação)

Por Guilherme Weimann, do Petróleo dos Brasileiros

Em meio à turbulência ocasionada pelo anúncio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de trocar o comando da Petrobrás – a maior empresa do país – e pelos constantes reajustes nos preços dos combustíveis, também está em curso a privatização da segunda maior unidade de processamento de derivados da estatal, a Refinaria Landulpho Alves (Rlam), localizada no município de São Francisco do Conde (BA).

No início do mês, a petroleira confirmou a venda do ativo ao grupo Mubadala Capital – um fundo soberano dos Emirados Árabes – por US$ 1,65 bilhão (R$ 8,8 bilhões). A negociação, entretanto, ainda deve ser submetida e aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que em 2019 celebrou um Termo de Compromisso de Cessação (TCC), no qual a Petrobrás se comprometeu a vender 8 de suas 13 refinarias como forma de estimular a concorrência no mercado de refino.

No mesmo dia do anúncio, o Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep) afirmou que o preço negociado de venda é cerca de 50% inferior ao valor real da refinaria. De acordo com os cálculos dos pesquisadores, o ativo está avaliado entre US$ 3 bilhões e US$ 4 bilhões (aproximadamente R$ 17 bilhões e R$ 19 bilhões).

Já o BTG Pactual, que ocupa a terceira colocação entre os maiores bancos privados brasileiros, estimou que a negociação da refinaria está 35% subfaturada e que, consequentemente, seu valor no mercado é de R$ 13,8 bilhões.

Contestações

No domingo (21), o presidente da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, o coordenador do Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro-BA), Jairo Batista, e o ex-governador da Bahia, Jacques Wagner, ingressaram com uma ação popular na Justiça Federal pedindo a suspensão imediata da privatização da Rlam.

Por meio de nota, a Advocacia Garcez, que assessora a FUP e elaborou a ação, afirma que a privatização é ilegal. “A venda por este valor é absolutamente ilegal e lesiva aos cofres públicos. Como mostramos em nossa Ação Popular, a Operação Lava Jato, que se auto intitula como maior operação de combate à corrupção de nossa história, afirma ter devolvido RS 4 bilhões aos cofres da Petrobras. Apenas a venda da Rlam já apresentaria um prejuízo maior à Companhia”, pontua o texto.

Em entrevista ao site da FUP, Bacelar também ressalta a importância da refinaria para a economia do país. “Por vários meses a refinaria liderou a produção de óleos combustíveis da Petrobrás, sobretudo de bunker oil [combustível para navios] com baixo teor de enxofre, que vem sendo muito demandado em todo o planeta. Foi o aumento da exportação desse produto que salvou os balanços financeiros da empresa. E isso vai ser perdido, com impacto sobre o caixa da Petrobrás e, de novo, com consequências para os cofres públicos e a população”, explica.

Além dessa ação, o Sindipetro-BA protocolou denúncia no Tribunal de Contas da União (TCU), também com questionamentos ao preço de venda anunciado pela estatal.

Posts relacionados

Estudo da FGV debate importância da RNEST

Odara Monteiro

Estrella: “Petrobrás virou fundo de investimento no cassino financeiro internacional”

Guilherme Weimann

Petrobrás é acusada de divulgar publicidade enganosa sobre o preço da gasolina

Andreza de Oliveira