Petrobrás ignora Acordo Coletivo e diferenças no auxílio alimentação persistem

Benefícios para trabalhadores das unidades operacionais seguem com valores menores porque empresa resolveu aplicar lógica de diárias para o benefício

Sindicato cobrou respeito ao ACT no cálculo do valor destinado à alimentação dos trabalhadores (Foto: Agência Brasil)

Por Luiz Carvalho

Os trabalhadores de unidades operacionais deslocados provisoriamente para o teletrabalho e que passaram a receber o auxílio almoço eventual continuam a sofrer com a falta de isonomia no pagamento de verbas para a alimentação.

Isso porque, apesar de atender a reivindicação da Federação Única dos Petroleiros (FUP) de creditar os valores do benefício no vale refeição (VR) e no vale alimentação (VA), a Petrobrás realizou um cálculo que não está previsto na cláusula 16 do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), que regula a aplicação desse direito.

Quando os trabalhadores do operacional migraram provisoriamente para o teletrabalho por conta da pandemia de Covid-19 e deixaram de contar com as refeições oferecidas nas unidades operacionais, passaram a receber o auxílio almoço eventual, parte do pagamento de diárias para quem viaja a serviço da empresa. Mas que tem valor inferior ao da assistência alimentar.

Enquanto o crédito do primeiro é de R$ 1.008 ao mês, o da assistência é de R$ 1.254 porque engloba toda a alimentação durante o período de trabalho e não apenas o almoço. Para piorar, o pagamento feito por meio do contracheque diminuiu o benefício em cerca de 30% devido aos impostos que incidem sobre a folha.

Leia também: Petrobrás serve comida de baixa qualidade e insuficiente aos trabalhadores

Para efetuar o pagamento em abril, a companhia considerou os dias úteis sobre um benefício que tem valor fixo no ACT.

A Petrobrás levou em conta os R$ 1.254 da assistência alimentar, dividiu pelos 30 dias do mês e multiplicou por 22, a média de dias úteis. Com isso, chegou ao valor de R$ 919, que se tornou inferior aos R$1.008 pagos como auxílio almoço eventual e mais distante do benefício alimentar.

Além de representar um prejuízo ainda maior para a categoria, a medida contraria as regras do acordo firmado entre trabalhadores e empresa, conforme aponta a diretora da FUP e do Sindicato Unificado dos Petroleiros de São Paulo (Unificado-SP) Cibele Vieira.

“A Petrobrás não pode pegar uma cláusula que é mensal no ACT, que não trabalha com a lógica de dias úteis e aplicar dessa forma. É o pior dos dois mundos, abaixou o valor e apenas mudou de dinheiro para tíquete, novamente sem trazer isonomia com os trabalhadores do escritório, que recebem o auxílio alimentar”, explicou.

O Unificado-SP já notificou a Petrobrás sobre a diferença e a irregularidade no cálculo utilizado para pagamento dos valores e aguarda uma resposta da direção da empresa.

Veja também: Em vídeo, Cibele Vieira fala sobre os problemas relacionados ao auxílio alimentação

Posts relacionados

Operações envolvendo informações privilegiadas da Petrobrás continuam sem respostas

Guilherme Weimann

Petroleiros acionistas se unem em defesa da Petrobrás

Andreza de Oliveira

Ações do Supremo para ampliar terceirização não podem ser esquecidas

Luiz Carvalho