Petrobrás divulga fake news sobre tabelas de turno para seus trabalhadores

Em comunicado interno, gestão da empresa mentiu ao informar que houve acordo com a FUP; sindicatos se reúnem nesta sexta para avaliar proposta apresentada pelo TST

fake news
Até o momento, não houve nenhum acordo entre sindicatos e empresa (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Pouco mais de um ano após admitir que veiculou dois milhões de anúncios em sites com conteúdos impróprios, a atual gestão da Petrobrás inovou e fez do seu canal interno de comunicação com os trabalhadores um meio de divulgação de uma fake news.

O comunicado, disparado para todos os trabalhadores da companhia na quinta-feira (28), mentiu ao afirmar que a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e seus sindicatos haviam aceitado a proposta relativa às tabelas de turno, após reunião de mediação com o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra, realizada na quarta-feira (27).

A reunião, que contou com a participação da FUP e do Sindipetro Caxias, foi realizada para discutir a suspenção pelo TST da liminar que garantia a manutenção da tabela de turno na Refinaria Duque de Caxias (Reduc) e na Usina Termelétrica Governador Leonel Brizola (UTE-GLB).

A FUP, em nota, afirmou que participou da reunião como convidada para tentar buscar uma alternativa para o imbróglio que, de acordo com a entidade, foi criado pela própria Petrobrás. Isso porque, após a greve de fevereiro do ano passado, houve um acordo mediado pelo TST e assinado por ambas as partes – Petrobrás e sindicatos – no qual a empresa se comprometeu a implementar as tabelas de turno negociadas com as entidades sindicais e aprovadas em assembleias pela categoria.

Logo após a reunião, Gandra enviou a minuta com a proposta de acordo para as tabelas de turno da Reduc e UTE-GLB. Um dos trechos afirma: “O § 2º da cláusula 4ª do presente acordo não impede que os empregados com ações individuais prossigam em suas demandas, em face de situações pessoais em desalinho com as tabelas reconhecidas como legais no referido parágrafo, nem impede o ajuizamento de novas ações em que se discuta o descumprimento da lei ou dos acordos.”.

Nesta sexta-feira (29), os sindicatos filiados à FUP se reunirão para discutir e avaliar a minuta apresentada para, posteriormente, fazer um posicionamento público.

Posts relacionados

“Com os descontos da Petros, não estou nem conseguindo fazer mercado”

Guilherme Weimann

FUP repudia 17ª Rodada de Licitações, que pode impactar áreas de reservas ambientais

Odara Monteiro

RMNR: Sindicatos entram com embargos de declaração contra decisão de Moraes

Guilherme Weimann