Petrobrás destinará apenas 10% do anunciado por Bolsonaro para custear gás de cozinha

Projeto deve durar 15 meses, mas os critérios e os valores unitários do auxílio ainda não foram divulgados pela estatal

Bolsonaro cumprimenta o apresentador Ratinho.
Petroleira anunciou R$ 300 milhões para o custeio do produto, valor 90% menor do prometido por Bolsonaro em programa do Ratinho (Foto: Alan Santos/PR)

Por Daniel Giovanaz, do Brasil de Fato

A Petrobrás divulgou esta semana que destinará R$ 300 milhões para um programa de auxílio à compra de gás de cozinha e outros insumos essenciais por famílias em situação de vulnerabilidade durante 15 meses. O montante informado pela estatal é apenas 10% dos R$ 3 bilhões anunciados pelo presidente Jair Bolsonaro em entrevista ao Programa do Ratinho, do SBT, em 30 de julho.

O preço médio do botijão para consumidores brasileiros é de aproximadamente R$ 100. Houve aumento de quase 30% desde o início do ano, obrigando famílias a recorrerem a alternativas menos seguras, como álcool e lenha.

“O novo presidente da Petrobrás, general Silva e Luna, está com uma reserva de aproximadamente R$ 3 bilhões para atender realmente esses mais necessitados. Seria o equivalente a um bujão de gás a cada dois meses”, sinalizou Bolsonaro em cadeia nacional há dois meses.

Leia também: Bolsonaro mente sobre vale-gás e o povo segue pagando caro demais

A declaração repercutiu a tal ponto que a petrolífera teve que lançar uma nota de esclarecimento, dois dias depois.

“Não há definição quanto à implementação e o montante de participação em eventuais programas. Qualquer decisão estará sujeita à governança de aprovação e em conformidade com as políticas internas da companhia”, disse a Petrobrás, corrigindo a informação veiculada no SBT.

O montante aprovado pelo Conselho de Administração esta semana foi de R$ 300 milhões, 90% a menos que o sinalizado por Bolsonaro. Os critérios para acesso a esse subsídio e os valores a serem destinados para cada família ainda não foram divulgados.

Em paralelo ao programa que será custeado pela Petrobrás, o governo estuda criar uma espécie de vale-gás para beneficiários do Bolsa Família até o final de 2022.

Leia também: Entenda o cálculo utilizado pela Petrobrás para definir os preços dos combustíveis

Para além da inflação acumulada no período, de 5,67%, o principal motivo dos reajustes no preço do botijão é a política adotada pela Petrobrás desde o governo Michel Temer (MDB), que atrela os preços cobrados ao consumidor às variações do mercado internacional.

Com o dólar em alta, os combustíveis disparam. O impacto é sentido não apenas nos derivados de petróleo, mas em todas as cadeias produtivas, que refletem o aumento dos custos de transporte.

Posts relacionados

Os efeitos da autoverdade de Bolsonaro sobre a Petrobrás

Guilherme Weimann

Ainda dá tempo de privatizar a Petrobrás no governo Bolsonaro?

Andreza de Oliveira

Trabalhadores encerram greve na Replan com conquistas para a categoria

Guilherme Weimann