Petrobrás desrespeita intervalo de descanso de 11 horas entre jornadas na Replan

Para burlar interstício previsto na legislação, empresa obrigou trabalhadores a baterem o cartão de ponto mesmo impedidos de sair da refinaria

Sindipetro-SP incluirá essa irregularidade na denúncia sobre práticas antissindicais que será entregue ao MPT

Por Guilherme Weimann

No dia 15 de abril, a Refinaria de Paulínia (Replan) – a maior da Petrobrás em capacidade de processamento de petróleo – desrespeitou o interstício estipulado na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), que prevê um intervalo mínimo de 11 horas de descanso entre duas jornadas de trabalho.

A infração ocorreu após trabalhadores da Destilação e Utilidades participarem de assembleia sobre problemas com treinamentos, o que atrasou o início da jornada, que atualmente é de 12 horas, em aproximadamente uma hora. Consequentemente, houve um atraso na troca de turno desses setores.

Entretanto, a empresa obrigou petroleiros dos outros setores que estavam dentro da refinaria a baterem o cartão de ponto – que marca o horário de início e término do trabalho –, apesar de terem sido mantidos dentro da refinaria à espera dos ônibus que saíram apenas com a liberação da Destilação e Utilidades.

Leia também: Petrobrás concede pagamento adicional aos trabalhadores que furaram a greve na Replan

Essa medida foi feita com o propósito de burlar a legislação, ou seja, para evitar com que, no papel, esses funcionários ultrapassassem as 11 horas de descanso até a jornada seguinte de trabalho. Na prática, entretanto, houve uma flagrante violação ao direito de repouso.

“Esse é mais um ato antissindical da empresa, que vem afrontando a organização dos trabalhadores e tentando impedir o direito de organização. O que a Replan fez foi uma verdadeira lambança nesse caso, desrespeitando o direito de interstício”, afirma o diretor do Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro-SP), Arthur Bob Ragusa.

Esse descumprimento do interstício obrigatório será juntado a uma série de práticas antissindicais que o Sindipetro-SP apresentará como denúncia ao Ministério Público do Trabalho (MPT).

Posts relacionados

Operações envolvendo informações privilegiadas da Petrobrás continuam sem respostas

Guilherme Weimann

Ações do Supremo para ampliar terceirização não podem ser esquecidas

Luiz Carvalho

Após regularização dos salários, petroleiros suspendem greve em São Paulo

Guilherme Weimann