“Perda do controle da BR Distribuidora é gravíssimo”, afirma Danilo Silva

De empresa integrada para empresa entregada

O representante dos empregados no Conselho de Administração da Petrobrás, Danilo Silva, foi o único voto contrário no CA à venda a toque de caixa das ações da BR Distribuidora. Nesta entrevista, concedida por telefone no embarque do Rio de Janeiro para Campinas, Danilo explica por que votou contra a maioria do Conselho e os riscos da privatização da Distribuidora.

Por Norian Segatto

 

Danilo Silva

JP – Por que você votou contra a venda das ações da BR Distribuidora pela Petrobrás?

Danilo Silva – Eu fui o único voto contra. Acho que há alguns problemas muito sérios nesse processo, que não foram devidamente avaliados, pois o posicionamento da atual administração da empresa é o alinhamento incondicional à política de desmonte da Petrobrás promovida pelo governo Bolsonaro.

 

Em sua opinião, quais seriam os principais problemas ?

Danilo – Primeiro, foi um processo muito rápido, sem debate com a sociedade. Foram menos de trinta dias entre o anúncio do fato relevante e a venda das ações. Esse é um questionamento, se a Petrobrás e a BR são empresas públicas e se faz uma operação dessa magnitude, a sociedade, por meio do parlamento e das entidades, deveria ser ouvida, mas o que prevaleceu foi a lógica de empresa privada. Segundo, que é o mais importante em minha opinião, é a perda do controle sobre a distribuição, ou seja, a Petrobrás não terá mais o controle de como seu produto irá chegar ao consumidor, o que é muito grave em um país das dimensões do Brasil.

 

Você acha que pode ocorrer desabastecimento?

Danilo – A lógica de uma empresa pública é prestar um serviço para a sociedade e ter retorno econômico com isso. E qual é a lógica de uma empresa privada? Apenas o lucro! Então, por exemplo, se não for lucrativo para a BR privatizada fornecer para o Acre, as pessoas desse estado terão sérios problemas de abastecimento, ou irão pagar um preço muito alto pelo produto. Veja o caso da telefonia, depois de trinta anos de privatização, os serviços ainda são ruins em muitas regiões e nós pagamos as tarifas mais caras do planeta.

 

E qual é a vulnerabilidade da Petrobrás sem o controle da distribuição?

Danilo – Além dessa questão central que eu apontei, há outra muito grave. E se, daqui a algum tempo, a BR resolver começar a comprar de outra empresa, da Shell, por exemplo, em vez da Petrobrás? Vão dizer, ah!, mas isso faz parte da lógica da concorrência. Isso é apenas em parte verdade, porque a Petrobrás está sendo desmontada por uma decisão política e não por essa tal lógica de mercado, pois não faz sentido se desfazer de uma empresa altamente lucrativa, como a BR Distribuidora e se tornar refém de um jogo empresarial, estar sujeita a uma série de variáveis.

 

Por exemplo?

Danilo – Se uma concorrente quiser praticar dumping [venda por preço artificialmente abaixo do praticado no mercado], por exemplo, para tirar a Petrobrás do mercado, a BR pode optar por parar de comprar da Petrobrás. Ah!, mas têm órgãos reguladores, é verdade, porém, com essa configuração de governo, que está de joelhos para os Estados Unidos, alguém acredita que o Bolsonaro vai comprar briga com a Chevron para defender a Petrobrás?

 

E como ficam os trabalhadores da BR agora?

Danilo – Vai começar a vida sob a ótica da lógica de uma empresa privada, com ataques muito mais fortes aos direitos conquistados. Cabe à organização sindical e aos trabalhadores, resistir e enfrentar esse gravíssimo momento.

 

Posts relacionados

“A venda da BR Distribuidora foi um escândalo, eu fico até triste”, afirma Dilma

Guilherme Weimann

Combustíveis: Petrobrás reduz valores, mas distribuidoras não repassam ao consumidor

Guilherme Weimann

Privatizada, BR pretende demitir 30% dos trabalhadores

Andreza de Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade