Pagamentos dos empréstimos da Petros estão suspensos por três meses

Medida vale apenas para os participantes e assistidos que solicitarem a interrupção dos descontos até o dia 03 de agosto, no portal da Petros

Os participantes de qualquer plano que optarem pela interrupção, deverão solicitá-la até o dia 03 de agosto, das 7 às 22 no Portal Petros (Foto: Reprodução)

Por Andreza de Oliveira

Passa a valer, a partir desta quarta-feira (21), a ação que interrompe até setembro os descontos das parcelas de empréstimos concedidos pela Petros. Os participantes ativos e aposentados de todos os planos, que optarem por suspender temporariamente os abatimentos, têm até 03 de agosto, das 7h às 22h, para solicitar a interrupção na Área do Participante da fundação.

Excepcionalmente os participantes dos planos PPSP-R e PPSP-NR não conseguirão solicitar a suspensão devido à uma falha no sistema da Petros. A fundação informou que a expectativa para normalização das atividades para esses assistidos ocorra na sexta-feira (23).

A medida de interrupção dos descontos foi anunciada pela Petros na última quinta-feira (15), após diversas reuniões com a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e seus respectivos conselheiros eleitos para representar os assistidos do fundo de pensão, Norton Almeida e André Araújo.

O pedido inicial, apresentado pela FUP e seus sindicatos filiados à direção da Petros, foi de alongamento do prazo para pagamento dos empréstimos de acordo com a expectativa de vida dos contribuintes, para que o valor pago mensalmente fosse reduzido e aliviasse financeiramente os participantes. “A intenção era minimizar o impacto dos altos descontos que ocorrem nos salários e benefícios dos participantes e assistidos”, comunicou a federação.

Entretanto, a proposta foi rejeitada, mesmo sem causar nenhum prejuízo à Petros – que alegou dificuldades para aceitar o projeto. Assim, o acordo que foi firmado entre a FUP e a fundação foi a suspensão por três meses da cobrança das parcelas dos empréstimos para os participantes solicitantes e, ao final deste período, o fundo de pensão avaliará a possibilidade de prorrogar a interrupção por mais três meses.

*Com informações da FUP

Posts relacionados

Recálculo da previdência (PL-DL 1971): Ações do Sindipetro-SP tramitam na Justiça

Guilherme Weimann

“Com os descontos da Petros, não estou nem conseguindo fazer mercado”

Guilherme Weimann

Descontos da AMS são maiores em novembro por conta do 13º salário

Andreza de Oliveira