Opinião: O desafio do sindicalismo brasileiro diante da pandemia da Covid-19

Em artigo exclusivo para o Sindipetro Unificado, o diretor-técnico do Dieese, Fausto Augusto, traz reflexões sobre as reinvenções que o momento histórico exige ao sindicalismo 

“O mundo do trabalho não será o mesmo após essa crise”, afirma Fausto Augusto (Foguinho/Imprensa SMetal)

Por Fausto Augusto Junior*

No final de fevereiro deste ano, o Brasil confirmava a primeira ocorrência de Covid-19. Em menos de três meses, já são mais de 360 mil casos confirmados, cerca de 23 mil óbitos e toda a economia seriamente impactada pela doença e pelas medidas restritivas necessárias ao enfrentamento da enfermidade.

O mundo do trabalho não será o mesmo após essa crise. As mudanças que estavam em processo se aceleraram, tecnologias que estavam maduras estão sendo rapidamente implementadas, novas formas de gestão se desenvolveram e modificações que ocorreriam ao longo de uma década tornam-se realidade em alguns meses.

É um momento de rápidas transformações e o movimento sindical precisa e já está se adaptando a tudo isso. A crise que se instala demanda novas formas de organização do trabalhador, de estratégias de negociação com as empresas e de atuação junto ao poder público.

Assembleias virtuais, negociações à distância, mobilizações pelas redes sociais são alguns exemplos de inovações que estão acontecendo e que precisam ser apropriadas, avaliadas e difundidas.

Fausto Augusto Junior

Nunca houve momentos tranquilos para os representantes dos trabalhadores. Alguns períodos foram marcados por mais conquistas, outros por mais perdas, mas foi sempre na luta cotidiana que se forjaram as grandes transformações na organização dos trabalhadores e foi assim que surgiram as lideranças.

É preciso deixar o novo surgir: práticas, movimentos, militantes, ideias. A geração presente precisa ser generosa com a geração que chega, ter paciência com a história, confiando que as conquistas e as lutas dos trabalhadores continuarão. Fundamental: acreditar que a nova geração pode construir um mundo diferente pós-pandemia.

*Fausto Augusto Junior é diretor-técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE).

Posts relacionados

Desigualdade racial em cargos na Petrobrás aumentou entre 2008 e 2019, diz Dieese

Mari Miloch

Greves mostram capacidade de luta das categorias, mas priorizam questões emergenciais

Luiz Carvalho

Queda na sindicalização exige que sindicatos pensem fora da lógica industrial

Luiz Carvalho

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade