Oito curiosidades sobre a Petrobrás

Confira os fatos mais curiosos que marcaram a trajetória da estatal

Manifestantes durante a campanha “O petróleo é nosso”, que culminou na criação da Petrobrás. Foto: Reprodução

Por Andreza de Oliveira

Importante para o desenvolvimento social e econômico do Brasil, a Petrobrás completou 67 anos de existência neste mês de outubro. Desde sua origem, ocorreram diversas descobertas e histórias que permitiram com que a estatal se consolidasse como a principal empresa brasileira.

Nesse processo, diversos acontecimentos marcaram a trajetória da Petrobrás, incluindo conflitos políticos, desenvolvimento tecnológico, pioneirismo e algumas curiosidades que fizeram parte deste processo. Acompanhe.

1. Monteiro Lobato era empolgado com a ideia da Petrobrás antes mesmo de sua existência 

Lobato em conferência em Belo Horizonte durante a campanha “O petróleo é nosso”, 1937. Foto: Reprodução/Projeto Memória

Um dos maiores nomes da literatura brasileira foi personagem fundamental durante o processo de criação da Petrobrás, isso porque o autor nacionalista era entusiasta da ideia de que existia petróleo em solo brasileiro, mesmo sem nenhuma comprovação até então.

Monteiro Lobato até chegou a escrever um livro em 1937, chamado “O poço do Visconde”, em que retratava os personagens do Sítio do Pica-Pau Amarelo encontrando o primeiro poço de petróleo no Brasil. 

A obra foi censurada e Lobato chegou a entrar em conflito com Getúlio Vargas, presidente da época, pois dizia que o governo não usufruía dos solos brasileiros e impedia qualquer iniciativa nesse sentido.

Dois anos mais tarde, em 1939, foi descoberto o primeiro poço de petróleo brasileiro, localizado atualmente no bairro Lobato, em Salvador, na Bahia. 

2. O primeiro logo da Petrobrás foi desenvolvido por um petroleiro

Foto: Reprodução Petrobrás

Com características remetendo ao nacionalismo da época, o primeiro logo da Petrobrás foi inspirado na bandeira do Brasil e desenvolvido em 1958 por Luiz Pepe, funcionário da empresa. 

Pepe era responsável por desenhar os mapas cartográficos aos geólogos do Departamento de Exploração para que fossem usados durante os processos de descobrimento de poços de petróleo. 

O primeiro logo foi aprovado por unanimidade entre os trabalhadores e gestores e representou a empresa durante 14 anos. 

3. Petrobrás criou o maior centro de pesquisa da América Latina

Foto: Reprodução Sindipetro-RJ

Em dezembro de 1963, para suprir a necessidade que a Petrobrás tinha de inovação tecnológica para suas buscas por petróleo, a estatal fundou o Centro de Pesquisas Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), localizado na Ilha do Fundão, no Rio de Janeiro.

Atualmente, o Cenpes é a maior unidade de pesquisa e desenvolvimento tecnológico da América Latina e um dos maiores centros de pesquisa em indústria e energia do mundo. 

O centro continua sendo fundamental para o desenvolvimento da Petrobrás e, devido ao pioneirismo da empresa em inovar e potencializar técnicas que não existiam no mercado, atualmente domina tecnologias exclusivas na área. 

O Cenpes conta com quase 4 mil trabalhadores próprios e terceirizados e realiza pesquisas voltadas ao desenvolvimento tecnológico, de energias renováveis e sustentáveis. 

4. A Petrobrás é responsável pela descoberta do pré-sal brasileiro

Foto: Reprodução DPA

Considerado uma das descobertas mais importantes da última década, a Petrobrás anunciou em 2006 que havia encontrado petróleo no fundo do mar, mais especificamente no pré-sal. 

Mais antiga que a existência humana, essa camada está localizada a 7 mil metros de profundidade, percorrendo uma área que vai do Espírito Santo a Santa Catarina, o que representa cerca de 800 km de extensão. 

Hoje, aproximadamente metade do petróleo e cerca de um terço do gás consumido no Brasil são oriundos do pré-sal. 

O alcance a essa camada do solo brasileiro só foi possível graças ao Cenpes, já que nenhuma outra empresa no mundo domina tão bem a tecnologia de extração de petróleo nessa área como a Petrobrás. 

5. A estatal faz parte das 10 maiores petroleiras do mundo

O edifício sede da Petrobras, no centro da cidade do Rio de Janeiro. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Com receitas bilionárias e alto potencial tecnológico, a Petrobrás aparece frequentemente no top 10 de rankings internacionais que classificam as maiores empresas dos segmentos petrolíferos e energéticos. 

Em um dos últimos levantamentos da Forbes, a estatal brasileira ocupou a 10º posição entre as maiores companhias produtoras de petróleo do mundo. 

Já na América do Sul, a Petrobrás se consolida como a principal e maior produtora de petróleo, e, no Brasil, como a maior empresa nacional. 

6. A Petrobrás possui 4 “Oscars” da indústria do petróleo

Foto: Reprodução

Por conta do bom desempenho em projetos e pesquisas de desenvolvimento do pré-sal, a Petrobrás é internacionalmente reconhecida como uma das maiores indústrias offshore do mundo. 

A estatal brasileira já conquistou 4 vezes o OTC Distinguised Achievement Award, que é considerado o “Oscar” da indústria petrolífera offshore. No último ano, mesmo em meio à uma das maiores greves da categoria, a petroleira garantiu o prêmio por conta do projeto no campo de Búzios, no pré-sal da Bacia de Santos. 

7. A Petrobrás foi a primeira petrolífera a ter uma mulher como presidente

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Das cinco maiores empresas de energia do mundo, a estatal brasileira foi, em 2012, pioneira ao ter uma mulher ocupando o cargo mais alto da companhia. Maria das Graças Silva Foster é o nome da primeira petroleira a comandar a empresa. 

Funcionária da Petrobrás desde 1978, Graça Foster é engenheira química e ocupou diversas áreas da empresa, passando por estágio até cadeira da diretoria de Gás & Energia antes de assumir a presidência da estatal. 

Em 2014, a gestora da companhia foi eleita pela revista Fortune como a 4ª executiva mais poderosa do mundo.  

8. Uma das maiores orquestras brasileiras é da Petrobrás

Foto: Petrobrás Sinfônica

Por possuir um compromisso social e cultural com o Brasil, em 1987 a Petrobrás iniciou o patrocínio à Orquestra Pró Música, que havia sido fundada em 1972 pelo maestro Armando Prazeres. 

Devido ao impulso que recebeu da Petrobrás, a orquestra passou a aumentar seu quadro artístico e consequentemente ganhar destaque em suas apresentações. Em 1994, alterou seu nome para Orquestra Petrobrás Pró Música, e em 2006 assumiu o nome que carrega até hoje: Orquestra Petrobrás Sinfônica (Opes). 

Atualmente, a Opes possui 80 músicos e é regida pelo maestro Isaac Karabtchevsky, que também é o diretor artístico da companhia. 

Leia também: Oito motivos para ser contra a privatização da Petrobrás

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade