Mulheres de todo país mostram que aqui não tem fraquejada

Aos poucos elas foram chegando, trajando suas camisetas, bandeiras e cartazes, portando mensagens variadas, mas que tinham, ao fundo, o mesmo grito: vale lutar pela democracia! São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte, Roma, Barcelona, Londres e em muitos outros rincões do Brasil e mundo afora, centenas de milhares de mulheres e homens, crianças, jovens, idosos ocuparam ruas e praças para dizer não ao retrocesso.
O movimento que começou nas redes sociais, e imediatamente ganhou a adesão de milhões de mulheres, imprime à atual eleição um frescor de democracia, após a sociedade sofrer tantos ataques: golpe em 2016, golpe dentro do golpe com a prisão de Lula, farsa jurídica para evitar que o ex-presidente se candidatasse, intervenção militar no Rio de Janeiro, crescimento do fascismo e o surgimento de um candidato misógino, racista, homofóbico, garoto propaganda de indústria de armamentos, que propaga ideais reacionários, antidemocráticos e fascistas.
Contra todo esse cenário adverso, a população, em especial as mulheres, deu seu grito de resistência dizendo um rotundo #elenão!, mobilização que ganhou adesão internacional, ultrapassou opções partidárias e questões de gênero para se tornar um movimento de cidadania e um exemplo de resistência para o mundo.
O resultado final da eleição ainda é uma incógnita, mas as gigantescas manifestações ocorridas há oito dias da votação do primeiro turno mostram que a rejeição às práticas antidemocráticas encontra muito mais resistência do que “analistas” e a mídia conservadora imaginava. Dia 29 de setembro de 2018 inaugurou um novo momento da história política do país.

Posts relacionados

Operadores do Pátio de Coque da Replan estão em greve desde segunda-feira (8)

Guilherme Weimann

Memórias: “A memória pra mim tem sabor de mudanças e atualizações”

Guilherme Weimann

Trabalho x Mercado: imprensa como arma de disputa pela Petrobrás

Guilherme Weimann