Modelo chileno idolatrado por Paulo Guedes entra em colapso

Por Norian Segatto

No início dos anos 1980, sob a ditadura militar de Pinochet, o Chile privatizou seu sistema previdenciário, mudando o modelo solidário para o de captação individual; é nele que o atual ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, se espelhou para propor a nefasta reforma da Previdência. As consequências desse modelo já foram apresentadas em matéria publicada em 5 de novembro de 2018 no site do Sindicato (https://www.sindipetrosp.org.br/falencia-de-modelo-chileno-de-previdencia-aumenta-casos-de-suicidio-entre-idosos/).

A precarização dos empregos, a privatização da Previdência e da saúde e da educação, o alto custo de vida, agravado pela diminuição da massa salarial dos trabalhadores tornou o Chile um caldeirão prestes a explodir. É o que ocorre ao país vizinho neste momento.

No início da semana passada iniciaram diversos protestos de rua contra o aumento da tarifa de metrô, que, rapidamente, se transformaram em massivos movimentos contra o governo de Sebastián Piñera. Na sexta-feira, 18, mais de 80 estações de metrô foram depredadas, pelo menos 308 pessoas foram presas e houve dezenas de feridos nos confrontos de rua. Um incêndio em um supermercado saqueado deixou um saldo de três mortos.

Incêndio em supermercado em Valparaiso

O governo suspendeu o aumento das tarifas de transporte, o Exército ocupou as ruas da capital Santiago e decretou toque de recolher; o metrô não funcionou no final de semana e ninguém pode afirmar com certeza que rumos o país poderá tomar após a onda de protestos.

Quase vinte anos após a queda de Augusto Pinochet, o Chile ainda convive com as chagas provocadas pela ditadura; a previdência está falida (para a população, não para os fundos privados que administram o sistema), a educação pública é um fiasco, mais de 70% da população ganha menos de 770 dólares, escândalos envolvendo políticos e forças armadas vêm à tona quase diariamente. Às vésperas de sediar duas importantes reuniões internacionais, o Foro de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC), em novembro, e a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP25), em dezembro, o Chile mostra o precipício que aguarda o Brasil à mercê da política bolsonarista.

Posts relacionados

“Estamos fazendo da memória um exercício político de futuro”, afirma militante chileno

Guilherme Weimann

Falência de modelo chileno de previdência aumenta casos de suicídio entre idosos

sindipetro