Lula volta maior e nos braços do povo

Por Norian Segatto

Desde o momento em que o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que a Constituição tem de ser cumprida e não se pode condenar/prender alguém antes de esgotadas todas as possibilidades de defesa, a expectativa para a libertação de Lula era enorme.

Em Curitiba, em frente à sede da Polícia Federal, onde o ex-presidente estava preso há 587 dias, uma multidão se formou para ver o maior líder político do país novamente em liberdade. Lula saiu no final da tarde da sexta-feira, 8, foi direto para os braços do povo, subiu em um palco e fez um discurso de agradecimento. Visivelmente emocionado, reafirmou a importância do acampamento Lula Livre, das pessoas que ali permaneceram e que nesses quase 600 dias deram “bom dia”, boa tarde” e boa noite, presidente”.

Festa e emoção em São Bernardo

Assim como foi o cenário de seu último ato antes de ser preso, a sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC foi o palco do primeiro discurso de Lula livre. Durante todo o sábado, milhares de pessoas se aglomeraram na sede e nas ruas próximas, cantando e gritando o nome de Lula.

Dezenas de dirigentes e militantes petroleiros foram a São Bernardo recepcionar o ex-presidente, dizer que a categoria continua na luta e agradecer o que Lula fez pelos petroleiros, pela Petrobrás e pelo Brasil. “Ele é o pai do pré-sal, este é um momento de alegria, mesmo preso Lula estava nas resistência e, agora, vai continuar nas caravanas por todo o país”, afirmou o diretor do Unificado, Auzélio Alves.

Em seu discurso, Lula novamente agradeceu à militância e à população que o apoiou, criticou a Rede Globo, os desastres econômicos de Paulo Guedes (ministro da Economia), o governo antipopular e Jair Bolsonaro.

Lula está de volta, pronto para liderar a oposição para tirar o país das garras do autoritarismo, dos privatistas, dos financistas, do corte de direitos dos trabalhadores, dos cortes na saúde, educação e programas sociais. Bem-vindo, presidente Lula. Livre sempre.

Notícias Relacionadas

Quantos petroleiros precisarão morrer para a Petrobrás assumir compromisso com a vida?

Luiz Carvalho

“Foi um grito de alerta para o país acordar”, afirma fundador da Gaviões da Fiel

Guilherme Weimann

Artigo: Tarifaço nas contas de luz em tempos de pandemia

Guilherme Weimann